Animais sofrem enclausurados em zoo interditado


O Parque Zoológico Melo Verçoza, localizado em Vitória de Santo Antão, em Pernambuco, tem uma estrutura tão precária que os animais morrem pela falta de cuidados após uma vida enjaulados.

Animais vivem enjaulados e sem condições necessárias para viver em zoológico
Animais sofrem com falta de infraestrutura e destino incerto (Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco)

Mas as denúncias de maus-tratos contra os animais explorados só vieram à tona quando um urso foi transferido de lá para o Parque Estadual Dois Irmãos, na Zona Norte do Recife. Na noite desta segunda-feira (17), apenas 3 dias após o translado, o animal morreu por desnutrição e infecção respiratória.

Contudo, o local já era conhecido pela falta de infraestrutura. Paredes mofadas e infiltradas são comuns no local. Duas jaulas desabaram com o tempo, por conta da falta de manutenção. O leão que vivia no local precisava se alimentar diariamente de 12 kg de carne fresca, mas só recebia 4 kg. Já a área onde viviam alguns macacos, foi denunciada por moradores locais como um ponto de venda e uso de entorpecentes, por ser protegido pelas jaulas e isolado da vista dos visitantes. Pessoas invadiam o local livremente, pois o acesso eram garantido.

Desde 1950, ano de sua inauguração, o zoológico jamais recebeu uma licença ambiental do Ibama para funcionar, pois nunca cumpriu as normas do órgão. As mortes de animais eram frequentes, o que motivou a promotora Vera Rejane Mendonça a abrir um inquérito civil em 2010. A ação resultou em somente uma recomendação de reforma do espaço. Obviamente, a determinação não foi cumprida e, mesmo assim, nenhum prazo para construção de um novo local foi dado.

Dois anos depois, o MPPE em parceria com o Ibama determinou que o zoológico fosse interditado e que houvesse a realocação dos mais de cem animais que eram explorados e abusados no local. E mesmo sem estar aberto ao público há 5 anos, os órgãos persistem na demora em decidir o destino dos animais.

A Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes do município foi quem assumiu a administração do zoológico em janeiro deste ano. Segundo ela, 59 animais ainda viviam no local. Deste número, somente 26 animais, entre aves e jabutis, conseguiram a transferência ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), na Guabiraba, Zona Norte do Recife.

A Secretaria atribui a culpa da demora de realocação dos animais à antiga gestão e afirma que “continua dando assistência necessária para o bem-estar dos animais até conseguir a transferência dos demais” e que os cuidados consistem em “higiene e alimentação de acordo com as necessidades de cada espécie”. O órgão informou que uma veterinária, uma bióloga e seis tratadores cuidam atualmente dos animais que ainda vivem no local.

Veja a seguir o vídeo que mostra a realidade dos animais que ainda vivem enjaulados no local:


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

HOLOCAUSTO

INSPIRAÇÃO

CONSCIENTIZAÇÃO

CONSCIENTIZAÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>