Com capacidade máxima, Cras faz alerta sobre domesticação de animais silvestres


Pássaros na natureza
Foto: CRMV

Alguns dos que estão no local nunca mais poderão ser reintroduzidos na natureza devido ao excesso de contato com os humanos. Em alguns casos mais graves eles carregarão sequelas para o resto da vida –  como um macaco que teve a perna amputada após ser atacado por um cão pit bull.

Por dia são consumidos mais de 100 quilos de ração e frutas, conta a coordenadora do Cras, Nara Teodoro Pontes. A manutenção do Centro é feita pelo Governo do Estado. A maior parte dos animais que está no local são aves, principalmente papagaios, mas há também macacos e 10 onças. Algumas delas não poderão ser soltas novamente, pois foram retiradas da natureza ainda filhotes e não aprenderam a caçar.

“Cada animal tem uma ficha com todas as informações. Quando chegam, eles recebem uma espécie de RG [Registro Geral] e uma marcação individual. Alguns estão muito debilitados e precisam de medicação. Eles passam por avaliação clínica, são vermifugados e ficam em quarentena por sete dias”, explica a coordenadora.

A equipe formada por seis técnicos de nível superior e cinco tratadores é responsável pelos cuidados com os animais. Os veterinários se revezam para plantões de 24 horas.

Quando já estão em condições, os pacientes são designados aos recintos apropriados. “Os que são de convívio vão para o grupo e aqueles de hábito individual recebem um recinto próprio”, detalha.

Rota do tráfico

O problema é que o número de animais que chega ao Cras aumenta no período de reprodução das espécies. Em um só mês o local já chegou a receber mais de dois mil papagaios, frutos de apreensões. “MS é rota para passagem do tráfico de animais”, lamenta a coordenadora. Segundo ela, a maioria dos resgates ocorre na região Sul do Estado. Alguns animais chegam a ser comercializados em feiras.

A solução passa pela conscientização das pessoas, aponta Nara. Com redução da demanda pela compra de animais silvestres, diminui também o número de animais comercializados.

De acordo com ela, de setembro a novembro é o período em que aumentam os resgates, principalmente de filhotes. “Papagaio é a ave mais traficada no Estado”, destacou.

Nara já testemunhou vários salvamentos e detalha que os animais chegam ao Cras bastante debilitados, acondicionados em caixas e praticamente empilhados. “Muitos chegam aqui já bem desidratados e acabam morrendo”, revelou. A estimativa é de que a cada 10 animais traficados, somente um sobrevive.

Para ela, o modo da sociedade ajudar é deixando de tentar domesticar animais silvestres. “As pessoas em vez de querer ter um animal silvestre que comecem mais a contemplar o animal na natureza, solto, o que não é tão difícil tendo em vista que nossa fauna é muito rica”, comentou.

Reabilitação

Por se tratar de um local de tratamento, os animais não estão disponíveis para visitação. Contudo, quem participa da trilha do Parque Estadual do Prosa tem a oportunidade de conhecer as instalações. As visitas são feitas sempre com grupos reduzidos e regras para não estressar os animais, alguns já moradores permanentes.

Apesar da lotação, o Cras continua de portões abertos para receber animais silvestres que precisem de atendimento – já os animais domésticos não são atendidos no local. O centro é destino das espécies salvas pela Polícia Militar Ambiental (PMA) e todo o trabalho é feito de modo que elas sejam reintroduzidas na natureza.

“A maioria das aves tem condições de ser solta, os filhotes com grandes chances de retorno ao seu habitat. Principalmente porque a gente faz todo o trabalho direcionado à não domesticação, para eles não ficarem dóceis”, ressaltou a coordenadora.

As pessoas que encontrarem um animal silvestre fora da natureza podem acionar a PMA pelo telefone (67) 3357-1500, que os militares irão ao local fazer o resgate.

Quando se tratar de pássaro ou animal que possa ser levado ao Cras, também é possível fazer isso pessoalmente e as orientações para o transporte podem ser obtidas pelo telefone (67) 3326-6003.

Foto: acrítica

 

 

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>