Jaqueline B. Ramos

Precisamos conversar sobre passeios em zoológicos

384

15/06/2017 às 21:30
Por Jaqueline B. Ramos

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Tigre no Higashiyama Zoo, Nagoya, Japão (janeiro 2017)

Me chamou a atenção a notícia da tratadora morta (mais uma) por um dos tigres que cuidava no Hamerton Zoo Park, em Cambridgeshire, na Inglaterra.

Entre os casos similares registrados nos últimos anos estão as mortes de uma tratadora em maio de 2013 na Inglaterra; de um homem depois de uma fuga de vários animais em um zoológico na Georgia, Estados Unidos, em junho de 2015; de um tratador com 20 anos de experiência em um zoológico na Nova Zelândia em setembro do mesmo ano; de uma tratadora em um zoológico na Flórida, Estados Unidos, em abril de 2016; de uma tratadora em um zoológico espanhol em julho do mesmo ano; e, no mesmo mês, uma mulher morta e outra gravemente ferida em um ataque no Beijing Badaling Wildlife World, na China.

Em alguns casos os “tigres assassinos” acabaram sendo abatidos, e em outros foram poupados. Os tratadores vítimas eram profissionais experientes, que conheciam, gostavam e cuidavam dos animais há anos. Mas nem isso foi suficiente para impedir o ataque. Por que, na verdade, a conta de manter grandes felinos (e animais selvagens em geral) em cativeiro não fecha.

O desafio do cativeiro já é enorme, com direito a dilemas éticos e incidentes, em locais conhecidos como santuários, nos quais o foco é o bem-estar e a conservação das espécies. Em zoológicos, nos quais um dos objetivos principais é atender os visitantes, proporcionar para o público em geral a experiência de ver um animal selvagem de perto – se é que isso é possível -, espera-se que os desafios, e, consequentemente, os riscos, sejam muito maiores.

Michael Nichols, fotógrafo e editor da revista National Geographic, produziu em 1996 um documentário sobretigres em cativeiro nos Estados Unidos e sua conclusão ainda é válida e muito perspicaz, mesmo passados 21 anos. “Simplesmente não tem como um predador viver tão perto de seres humanos”.

Voltando a pergunta inicial da minha breve reflexão, destaco um comentário da minha filha de sete anos quando viu um tigre em um zoológico em um “passeio” recentemente. “Meu Deus, como prendem uma coisa dessas, gente?!” Está mais do que na hora de atentar para esse tipo de impressão mais pura e livre de preconceitos, analisar fatos e dados e rever nossa relação com tigres, ursos, chimpanzés, golfinhos e todos os animais selvagens que temos a pretensão de manter bem em cativeiro para nos proporcionar bons passeios.

*Jornalista ambiental/Gerente de Comunicação do Projeto GAP Internacional

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.