Planeta animal

A criatividade na exploração animal

Você conhece o que você come? A resposta imediata seria um “glorioso” SIM!!! Mas, a realidade é bem diferente... A maioria de nós não tem conhecimento do que consome...

493

08/06/2017 às 09:23
Por Ricardo Luiz Capuano

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Não fazemos nem ideia daquilo que comemos, bebemos, nos medicamos, passamos em nosso corpo e mesmo… respiramos (afinal, qual a composição do ar que respiramos?)!

Criamos uma falsa ilusão que somos donos de nossas escolhas, mas como escolher de forma responsável se desconhecemos a maior parte do conteúdo e do processo de fabricação daquele produto. Se pensarmos sem preconceito, não nos diferenciamos dos cães, gatos e outros animais de estimação que escolhem sua ração pelo sabor e não se preocupam com sua composição.

Para eles (e para nós) não importa se na nossa alimentação são “acrescidos para baratear o preço” restos de outros animais ou o lixo que seria jogado fora pela indústria. Nossa alimentação é “enriquecida” com fontes de proteínas “nobres”: farinha de penas, farinha de vísceras e a “charmosa” farinha de “hemácias” que nada mais é do que o sangue que escorre das carcaças dos animais mortos e espedaçados nos abatedouros. Mas isso não é nada…
A criatividade humana para ganhar dinheiro através da exploração é surpreendente.

Quem gosta de comer insetos aí?

Por mais nojo que você sinta pelos insetos dificilmente eles escapam de sua boca. Na maioria dos produtos que estão nos mercados e que tem uma coloração roxa avermelhada existe um corante que é feito a base de um inseto, como diria alguns, feio e nojento: CARMIN DE COCHONILHA!

Cochonilha refere-se tanto ao corante cor carmim utilizado em tintas, cosméticos e como aditivo alimentar, quanto ao pequeno inseto Dactylopius coccus de onde ele é extraído. Mede de 3 a 5 milímetros de comprimento, é geralmente marrom ou amarelo, e se alimenta parasitando a seiva de cactos e plantas e da umidade ali presente. Para defender-se da predação por outros insetos, produz ácido carmínico, que extraído de seu corpo e ovos é utilizado para fazer o corante alimentício que leva seu nome.

Na verdade só existe uma coisa pior que comprar um produto imaginando que ele é de morango ou uva e na verdade ele é feito com um inseto (parecido com um pulgão de jardim); é você ser o inseto que é esmagado para se colorir aquele alimento.

Parece uma morte sem sentido, você morrer unicamente para que um alimento “falso” se parece mais “verdadeiro” ou sendo mais complacente; um produto “ com sabor e cor artificial” fique com uma aparência mais próxima do “natural”. E consequentemente gerar um lucro maior!

E olha que não é “uma” morte. Em termos de número de “mortes” a ação da indústria se aproxima muito do termo “GENOCÍDIO” ( Significado de genocídio substantivo masculino: extermínio que, feito de maneira deliberada, aniquila uma comunidade – Fonte: Dicio), já que é necessário se tirar a vida de cerca de SETENTA MIL insetos para se obter meio quilo desse corante.

http://alimentandoadiscussao.com

Produtos industrializados com a cor vermelha, marrom, laranja ou rosada, como biscoitos, bolachas recheadas de chocolate, além das de morango, leites de soja sabor morango, acerola, laranja, mamão, maçã, etc., doces, bolos, sucos de morango, sucos de goiaba, sucos de laranja, balas, cereais, geleias, chicletes, sorvetes, licores e outras bebidas alcoólicas, refrigerantes, cerejas em calda, iogurtes sabor morango, iogurtes sabor uva, queijos, embutidos, carnes, gelatinas sabor morango e uva, pudins, xaropes para sucos em geral incluindo os de açaí, peito de peru light, temperos prontos, alimentos pré processados, rações para animais domésticos, sopas e outros industrializados com os sabores cereja, framboesa, açaí, contem esse pigmento vermelho produzido a partir de cochonilhas. Além de comê-las, você também as utiliza quando usa xampus, sombras, batons, tintas, corantes de roupas, detergentes, etc. Além do corante carmim Dactylopius coccus que vai do laranja ao vermelho, as cochonilhas também fazem parte da produção de medicamentos Ceroplastes ceriferus, verniz Llaveia axin, cera Ceroplastes ceriferus e laca Laccifer lacca.

Tudo isso muito bem legalizado pela legislação brasileira e de inúmeros outros países, mas quem disse que as indústrias seguem sempre as regras estabelecidas?

Temos visto muitas indústrias de renome se utilizando de artifícios mirabolantes para ganhar alguns “tostões” a mais então não é de se estranhar que muita coisa ainda acontece escondida em meio à produção industrial.

E nós pobres mortais, o que podemos fazer?

A nós só nos cabe procurar o conhecimento; a máxima: “ a verdade os libertará” cabe muito bem em todas as circunstâncias, inclusive em relação aos alimentos e demais produtos de consumo.

Procurar conhecer como são manufaturados os produtos que consumimos ainda é a melhor maneira de ampliarmos nossas escolhas, procurando buscar opções que são mais éticas e saudáveis. O conhecimento permite que através de nossas escolhas financeira, nossas compras diárias, decidimos participar ou não dessa cadeia de manufatura que termina no produto que consumimos.

Eu tenho a força

Sim; todos nós temos essa força; a força de modificar o mundo com nosso investimento monetário em produtos que vem de indústrias que tem um compromisso de preservar e melhorar o mundo em que vivemos.

Quem quer participar da dor e da morte (genocídio) de bilhões de animais, insetos, bovinos, aves, suínos, peixes? Eu realmente não quero e se você conhecer um pouco mais, também não vai querer participar dessa carnificina!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.