Tartarugas marinhas correm grave risco de extinção, indica estudo


O aumento das temperaturas, causado pelo aquecimento global, faz com que a população de tartarugas marinha cresça desproporcionalmente, com um número muito maior de fêmeas do que de machos, afetando a reprodução das espécies.

Quantidade de fêmeas aumenta com o aumento das temperaturas causado pelo aquecimento global
Os ovos precisam de uma temperatura entre 25ºC a 35ºC para se desenvolver. Um aumento dessas temperatura pode levar à morte dos embriões (Foto: Divulgação / Kostas Papafitsoros/Swansea University)

Além disso, o estudo indica que se as temperaturas elevarem muito, os ovos, que necessitam de um ambiente de temperatura entre 25ºC a 35ºC para sobreviver, acabariam morrendo, levando a espécie à extinção em diversas partes do mundo.

A temperatura na qual os embriões se desenvolvem quando ficam incubados, afetam diretamente na formação do sexo dos indivíduos, o que é chamado de Determinação Sexual Dependente da Temperatura (TSD, na sigla em inglês).

A temperatura ideal para que machos e fêmeas fossem desenvolvidos igualmente em número, seria em torno de 29ºC. Quando a temperatura se eleva acima disso, mais fêmeas começam a ser geradas, e se a temperatura diminui, mais machos são gerados. E considera o atual e gradativo aumento das temperaturas no planeta, mais tartarugas marinha fêmeas serão geradas, ocasionando um desequilíbrio.

E embora os machos possam acasalar com mais de uma fêmea, a reprodução será ameaçada se a quantidade de machos for inferior. Além disso, há outro problema: a poluição das águas aumenta, cada vez mais, o número de mortes de ovos e tartarugas.

“Acima de uma temperatura crítica, a taxa de crescimento natural da população cai, por causa do aumento da mortalidade nos ninhos. As temperaturas são altas demais e os embriões em desenvolvimento não conseguem sobreviver”, explica o biólogo Jacques-Olivier Laloë, da Universidade Deakin, na Austrália.

E para que a extinção da espécie seja freada, será necessário um esforço em conjuntos de entidades de várias nações ao redor do mundo. “Se for necessário, medidas de conservação poderiam ser adotadas ao redor do mundo para proteger os ovos. Essas medidas envolvem criar sombras artificiais para os ninhos de tartarugas ou mover os ovos a uma incubadora protegida e com temperaturas controladas.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DADOS ALARMANTES

MAUS-TRATOS

DESMONTE AMBIENTAL

ZOOFILIA

RÚSSIA

FINAL FELIZ

CRUELDADE

CRISE ECONÔMICA

SINERGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>