Mais de 20 elefantes selvagens foram assassinados em Mianmar este ano


A informação foi divulgada nesta segunda-feira (05) pela ONG Fundo Mundial para a Natureza (WWF), sendo uma quantidade recorde e assustadora pelo fato dos elefantes serem animais ameaçados pela caça e pela ação de traficantes, que vendem os órgãos e presas do animal no mercado chinês.

“Se essa tendência continuar, a população de elefantes terá desaparecido em um ou dois anos nesta área”, alerta Rohit Singh, do WWF, em entrevista ao portal da IstoÉ.

Pessoa segura os restos do animal sendo vendidos em mercado
Pele de elefante seca e marfim sendo vendidos em uma loja de medicamentos tradicional em Mianmar (Foto: AFP / Arquivos)

Singh explica que até agora os machos estão sendo mais caçados por conta das presas, mas, enquanto isso “toda a pressão adicional sobre os filhotes e as fêmeas no período de lactância terá um impacto importante”.

Segundo informações do WWF, existem entre 1.400 e 2.000 elefantes selvagens de Mianmar, o que faz com que o país seja o segundo lugar em quantidade de elefantes na região do sudeste asiático, ficando atrás somente da Tailândia.

De acordo com uma matéria publicada pelo portal da IstoÉ, o tráfico de animais selvagens está estimado no valor de quase 20 bilhões de euros por ano em todo o mundo. Já em Mianmar, as presas são vendidas principalmente na China, mas também são comercializadas no mercado local do país.

Em menos de 10 anos, o número de elefantes selvagens diminuir para a metade em Miamar. De acordo com informações do governo, bem mais otimista que o WWF, ainda existem entre 2.000 e 3.000 animais no país.

As principais causas da diminuição da quantidade de elefantes são a destruição do habitat desses animais e a utilização do marfim, da pele e de outras partes do corpo para a feitura de unguentos da medicina tradicional.

A maior parte do comércio ilegal de elefantes no mundo advém do pequeno país asiático, controlado por redes criminosas gerenciadas por traficantes chineses, de acordo com especialistas que lamentam a negligência das autoridades.

O país é signatário da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Silvestres (Cites, em inglês), logo, caçar um animal ameaçado de extinção é algo ilegal em Mianmar. Contudo a multa máxima para quem comete o crime é menor do que 60 dólares e as punições raramente acontecem.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

ARTIGO

DESACATO

GENTILEZA

DOR E SOFRIMENTO

EDUCAÇÃO

BENEFÍCIOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>