Cadela alimentada com marmitas desenvolve obesidade mórbida


Cadela era alimentada com marmitas
Pompom pesa o dobro do peso ideal (Foto: Arquivo Pessoal/Roberta Evelyn)

Chamada de ‘Pompom’, a cadela pesa 25,5 quilos, mais que o dobro do preso considerado ideal que é de 11 quilos. A cadela, de porte pequeno, foi encontrada pela fotógrafa Roberta Evelyn enquanto ela ia entregar algumas fotos para um cliente na zona Leste da cidade. No caminho, ela viu o animal e, na volta, decidiu tentar dar algum tipo de ajuda.

“Ela estava muito gorda, me chamou a atenção. Eu não tenho condições de cuidar, nem ficar com ela porque já cuido de três e minha casa é pequena, mas ao vê-la naquele estado, não podia deixá-la”, recordou.

Depois de perguntar para moradores da região, Roberta descobriu que o animal estava abandonado no bairro há pelo menos três anos e que estava obesa porque as pessoas sentiam dó e davam marmitas com todo tipo de comida para ela.

“Quando vi já falei com um amigo veterinário, perguntando se eu podia pagar depois pela consulta, porque eu não tinha dinheiro. Ele deixou e fez o atendimento, além da obesidade, ela tem uma queimadura na pata esquerda, provavelmente alguém jogou água quente nela”, contou.

Cadela vivia abandonada nas ruas
Cadela precisa ser tratada com atividades físicas (Foto: Arquivo Pessoal/Roberta Evelyn)

O veterinário Washington Luiz Camargo Galvão Bueno, que fez o atendimento, afirma que o peso ideal para o animal é 11 quilos. “Ela está bem acima do peso, por isso ela tem problemas na articulação. Falei para a Roberta procurar uma piscina para fazer exercício, já que por causa da obesidade mórbida, caminhar é difícil”, afirmou. Além do exercício, ela precisa se alimentar com ração diet. O veterinário conta ainda que o animal precisará fazer outros exames para verificar o estado geral de saúde.

Para conseguir ajuda, Roberta publicou fotos do animal nas redes sociais. Ela ganhou uma piscina infantil de plástico para começar o tratamento e precisa de ajuda. A intenção é reabilitar ‘Pompom’ até que ela consiga um lar definitivo – Roberta vai doá-la após o tratamento.

“Mesmo com a piscina, preciso de ajuda porque são necessárias três pessoas para conseguir levantá-la. Precisamos que ela melhore para não ficar doente e encontre um lar saudável e alguém que cuide bem dela porque ela é muito amorosa e dócil. Precisa ter uma segunda chance”, afirmou.

A orientação, segundo o veterinário, é sempre alimentar os animais abandonados com ração. “Atendemos poucos cachorros obesos, mas quando acontece é falha humana. Antigamente o homem queria domesticar, hoje quer humanizar os cachorros, e muitas vezes usa alimentos indevidos. A marmita é composta de arroz e feijão que são carboidratos que o animal não digere”, explicou.

Cão Bolinha

Em 2014 , um cão obeso chamado Bolinha foi resgatado em um posto de combustíveis na BR-364 em Mato Grosso, no qual era uma atração aos clientes por causa do excesso de peso, ele mal conseguia andar e respirava com muita dificuldade. O animal comida salgados e restos de comida.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RETROCESSO

RESPONSABILIDADE

SOLIDARIEDADE

MISSÃO

ACADEMIA ESPECISTA

SADISMO

DE OLHO NO PLANETA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>