Cachorra salva de fábrica de filhotes tem contato com a natureza pela primeira vez


Tudo é novo. Não há muitos cães que irradiam esse mantra como Irena. Isso fica claro em cada passo que a cachorra dá – observando pessoas jogando vôlei, se emocionando quando a bola sobe alto no ar ou experimentando a sensação do surfe nas patas enquanto corre pela praia.

Cachorra Irena na praia
Foto: Susan Banks

“Vamos passear e ela fica cheirando tudo. Tudo é extremamente novo para ela”, diz Mary-Chris Staples, que tem sido sua tutora temporária em Toronto, no Canadá.

Toda essa novidade pode ser esmagadora. “Depois do passeio, ela apenas desaba. Completamente exausta, não apenas fisicamente, mas pelas coisas mentais e emocionais que a afetam”, explica Staples.

O único sentimento que não sobrecarrega Irena é o amor que ela finalmente encontrou. A cachorra estava acostumada a viver em uma gaiola em um minúsculo espaço abarrotado com outras gaiolas na Coreia do Sul.

Juntamente com outros 13 cachorros, ela nasceu e foi explorada como uma mercadoria – com contato humano escasso, exceto pelas mãos que espalhavam restos de comida e enchiam as garrafas de água.

Cachorra Irena bebendo água
Foto: Len Goldberg

“O tutor era um acumulador de animais. Ele costumava ter uma fazenda de carne. Decidiu começar a cruzar raças específicas de cachorros”, informou a fundadora do Save Korean Dogs, Nami Kim, ao iHeartDogs.

No local, moravam Afghan hounds, buldogues e a raça bastante rara de Irena, o Ovcharka da Ásia Central.

As orelhas e rabo de Irena foram removidos. Embora ela tenha sido criada para ser vendida, caso isso não funcionasse, Kim diz que ela seria morta por sua carne.

A alegria de Irena ao desfrutar da liberdade
Foto: Len Goldberg

Quando Kim ouviu sobre a fábrica de filhotes na cidade de Incheon, sua organização começou a trabalhar com um homem do congresso, Pyo Chang Won – que também é membro do Comitê de Bem Estar Animal no país – para acabar com essa crueldade.

Porém, a situação teve estranha e inesperada reviravolta. “Trouxemos o caso para as autoridades. Justamente quando a ordem judicial foi emitida, o tutor morreu”, contou Kim.

Os cães foram libertos e deixados sob os cuidados da Save Korean Dogs, mas a jornada de Irena estava apenas começando.

Gaiolas amontoadas em fábrica de filhotes
Foto: Save Korean Dogs

A cachorra gigante, com um coração de um bebê, chamou a atenção da organização canadense Safehome Animal Rescue. O grupo, coordenando com sua contraparte sul-coreana, conseguiu levá-la ao Canadá, aos cuidados da sua tutora adotiva, Mary-Chris Staples.

Desde então, o novo e valente mundo de Irena só tem crescido a cada dia. Há praias, vôlei e outros cachorros – apesar de ela ainda estar um pouco desconfiada com pequenos cães. Porém, ela não desiste dos seres humanos.

Cachorra Irena em contato com a natureza
Foto: Save Korean Dogs

“Descobrimos que ela ama pessoas. Ela é muito amigável e corre pra todo mundo que vê e quer ser bastante afetuosa”, diz Staples.

Nem todo cachorro tem seu dia. Dependendo totalmente de doações, a Save Korean Dogs já resgatou incontáveis cachorros de fábricas de filhote e do comércio de carne, mas inúmeros deles ainda enfrentam esse sofrimento.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TRATAMENTO MÉDICO

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>