Polícia Civil investiga estudante suspeita de matar e arrancar coração de cadela para experimento


Agentes da Polícia Civil do Amazonas iniciaram um inquérito para investigar uma estudante universitária de Manaus, do curso de medicina veterinária de uma instituição particular, suspeita de matar e retirar o coração de uma cadela para estudos.

Print da publicação com fotos da menina segurando o coração ensanguentado da cadela
Estudante universitária retira coração de cadela morta e posta nas redes sociais (Foto: Reprodução / Facebook)

O caso foi muito repercutido, pois a própria estudante compartilhou as fotos do ato nas redes sociais. Na publicação ela confirma que retirou o órgão do animal já morto. Contudo, os policiais desconfiam de que ela tenha matado o cão.

O delegado Ricardo Romero, da Delegacia de Crimes contra o Meio Ambiente (Dema), somente o ato de retirar o coração do animal já morto já tipifica crime de maus-tratos. “Nós mesmos fizemos o Boletim de Ocorrência a partir das imagens que circularam nas redes sociais e dos comentários na cidade. É um caso que gerou grande impacto. Mas ainda não temos informações. Estamos fazendo o levantamento do nome e do endereço da pessoa”, afirma o delegado.

Contudo, ele adverte que ainda não está confirmado a suspeita da própria estudante ter retirado a vida do cão. “Está previsto no código ambiental. É tipificado como maus tratos (arrancar o órgão). Mas não posso meS precipitar. Preciso conversar com ela. Só quando ela comparecer à delegacia nós poderemos saber a gravidade da ocorrência, se ela fez com o animal morto ou se ela matou”, explica.

O delegado explica que além de intimar a autora do crime para depor na delegacia, também pode solicitar esclarecimentos de colegas de turma da jovem. “Se houve o cometimento do crime, possivelmente não houve testemunha. Mas antes precisamos levantar o que realmente aconteceu antes de supor qualquer coisa”, diz.

Suspensão da faculdade

Por conta da repercussão do caso, a estudante universitária de veterinária foi suspensa da faculdade onde estuda. “Ela foi chamada, interrogada e suspensa. Isso é completamente absurdo e fora de qualquer padrão de ética ensinado em sala de aula. Ela é uma aluna de 1º período e praticou o ato na casa dela, fora do ambiente acadêmico, sob a vontade dela e fora de qualquer princípio institucional”, esclarece Karina Castro, coordenadora jurídica da faculdade.

A coordenadora disse ainda que a administração da faculdade está cogitando a expulsão da aluna. “Ela foi suspensa por normas internas, mas dependendo da repercussão e de como isso vai se desenrolar, podemos tomar outra medida, como a expulsão dela. A gente está tomando todo o cuidado, porque isso também está causando problema para os nossos alunos”, completa Castro.

Publicação no Facebook

A estudante divulgou nas redes sociais as fotos que tinha feito do coração do animal para estudos de experimento. “Como infelizmente minha cachorra morreu, e estou estudando sistema cardíaco, então tirei o coração dela para my (sic) estudar… Eu mesmo. Fiz esse serviço hahahahah sem medo… Amoooo…….. coisa de Deus (sic)”, escreveu a estudante.

 

 

 

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TECNOLOGIA

DESUMANIDADE

ACOLHIMENTO

EFICIÊNCIA

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>