Aquário de Vancouver aprova medida que proíbe cativeiro de baleias e golfinhos


O Aquário de Vancouver, no Canadá, aprovou uma lei municipal proibindo o cativeiro de baleias, golfinhos e botos.
O anúncio ocorre após a morte repentina de duas baleias belugas em 2016 devido a uma toxina não identificada que foi encontrada em seus corpos.

Cetáceo confinado no Aquário de Vancouver
Foto: Aquário de Vancouver

O conselho do aquário teve seis votos a favor e um contra em relação à aprovação da medida enquanto centenas de manifestantes se reuniram para exigir a proibição do confinamento dos animais.

O conselho da administração do parque alterou a legislação atual para proibir a importação e exibição de cetáceos vivos nos parques da cidade. A medida entra em vigor imediatamente.

O aquário atualmente explora três cetáceos em exibição, incluindo uma falsa orca, uma toninha e um golfinho branco do Pacífico. Infelizmente, os três ainda viverão no local sob a nova regra, mas o aquário não poderá usá-los em shows ou performances.

O CEO do Vancouver Aquarium, John Nightingale, alegou em uma declaração que o movimento forçará ativistas a induzir a morte de animais que não podem ser liberados de volta à natureza.

Isso é muito difícil de acreditar, pois muitas instalações de resgate marinhas podem acolher os animais restantes ou transferi-los para santuários à beira-mar.

Há centros de resgates marinhos suficientes em todo o mundo aos quais o Aquário de Vancouver pode recorrer para realocar os cetáceos resgatados da natureza que não podem ser libertados. A morte nunca deve ser uma escolha.

“As pessoas contra a proibição dizem que isso proibiria o aquário de resgatar animais. Acreditamos que isso faria o contrário e seria um exemplo para outros aquários e empresas de entretenimento de mamíferos marinhos, como o SeaWorld, seguirem seus passos. Isso só iria promover a educação adequada que esses animais fiquem em seu habitat natural, em vez de serem forçados a ter uma vida de cativeiro em um ambiente não natural “, disse Katie Cleary, presidente do World Animal News, que divulgou a notícia em seu site.

“A diferença entre trazer esses animais para o cativeiro para lucrar com fins de entretenimento e resgatar um mamífero marinho ferido consiste em duas conversas diferentes. Estes animais devem ser resgatados da natureza, reabilitados e libertados onde nasceram. Se o Aquário de Vancouver realmente quisesse ajudar esses animais, eles mudariam seu nome para Centro de Resgate de Animais Marinhos de Vancouver”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>