Elefanta salva de caçadores dá à luz e experimenta pela 1ª vez o vínculo materno


Wendi é uma elefanta órfã que foi encontrada sozinha em um pântano, na floresta Imenti (Quênia) em 2002. Ela tinha apenas uma semana de vida, estava presa ao cordão umbilical úmido e não havia ninguém para cuidar dela.

Elefanta Wendi ao lado de filhote
Foto: DSWT/Facebook

Felizmente, a equipe gentil do Projeto Órfãos do David Sheldrick Wildlife Trust (DSWT) estava lá para salvá-la.

O projeto fornece um lar para os bebês elefantes africanos órfãos. Muitos deles são vítimas do brutal comércio de marfim da África. A cada quinze minutos, um elefante é morto por seu marfim e, infelizmente, para cada adulto que é assassinado, um bebê é deixado para trás.

Este horror pode ter sido uma parte da vida de Wendi, mas ao crescer no DSWT em um mundo repleto de amor, ela nunca terá que se preocupar com isso novamente.

Agora, o DSWT orgulha-se de anunciar que Wendi deu à luz um bebê que nunca saberá como é crescer sem a mãe.

Wendi cuida atentamente de seu filhote
Foto: DSWT/Facebook

Um de seus ex-cuidadores escreveu: “É um verdadeiro milagre Wendi trazer uma nova vida para o mundo. Resgatamos Wendi quando ela tinha apenas alguns dias em 2002, vítima da caça. Era tão jovem que não acreditamos que tenha recebido o colostro de sua mãe, então lhe demos o colostro em pó em suas primeiras garrafas de leite, o que foi possível graças a nossa dedicada equipe de cuidadores e seus conhecimentos e experiência”.

Com a pobreza e o crime organizado impulsionando o comércio, os preços do marfim têm sido de US$ 2.100 por quilo. A esta taxa, há uma possibilidade muito grande de que os elefantes selvagens africanos sejam extintos nos próximos quinze anos, de acordo com o One Green Planet.

Com órfãos como Wendi construindo suas próprias manadas e tendo bebês, existe uma oportunidade para que esses animais sejam reintroduzidos em áreas protegidas, dando a espécie uma chance de lutar.

O trabalho do DSWT não se limita apenas a esse projeto. O DSWT implementou oito unidades para combater a caça em tempo integral.

A elefanta órfã finalmente conhece o amor entre uma mãe e uma filha
Foto: DSWT/Facebook

A equipe de trabalhadores dedicados abrange uma área enorme, incluindo todos os Parques Nacionais do Tsavo do Quênia, o Parque Nacional Chyulu Hills, a Reserva Florestal de Kibwezi e a área que delimita fazendas privadas na região.

São utilizados equipamentos de camping, vans, câmeras, rádios e uma unidade areal para perseguir caçadores. Eles também trabalham com o Serviço da Vida Selvagem do Quênia para fornecer assistência médica para os animais selvagens feridos pela caça.

Todos os meses, cada unidade recolhe armadilhas, armas, e localiza campos de caça, ajudando com a prisão de caçadores e outros criminosos contra a vida selvagem.

Em um mundo perfeito, quando o filhote de Wendi crescer, a caça será algo do passado. Porém, mesmo que isso não ocorra, com os esforços contínuos do DSWT, os elefantes do Quênia têm recebido a ajuda de que precisam para que a espécie enfrente este cenário tão complicado.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>