Após manifestação, prefeitura suspende sacrifício de cães com leishmaniose em Porto Alegre (RS)


Por Sophia Portes | Redação ANDA (Agência de Notícias de Direitos Animais)

Manifestantes protestaram contra a morte de cães (Foto: Reprodução / RBS TV)

Ativistas e protetores dos animais fizeram uma manifestação neste domingo (07) contra a morte de 14 cães com suspeita de leishmaniose visceral canina, uma doença infecciosa causada por parasitas. A ação ocorreu em frente a uma clínica veterinária em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Após decretar emergência epidemiológica por conta da doença, a prefeitura informou em nota que cancelou o processo e vai avaliar novas alternativas.

A revoltada dos protetores foi causada pelo fato da prefeitura ter contratado uma clínica veterinária para matar animais com suspeita de infecção. A Secretaria Municipal da Saúde publicou no Diário Oficial de Porto Alegre na última terça-feira (02), uma dispensa de licitação, para contratar a clínica para matar até 300 cães soropositivos para a leishmaniose.

Prefeitura publicou uma dispensa de licitação de contratação da clínica (Foto: Reprodução / Dopa)

Organizações Não-Governamentais de proteção de defesa animal criticaram veemente a ação da prefeitura. A deputada estadual Regina Becker Fortunati (REDE), que é defensora da causa animal e ex-secretária dos direitos animais, criticou a necessidade da medida cruel durante entrevista dada ao G1. De acordo com ela, o teste que é realizado no laboratório gaúcho Lacen pode gerar resultados falsos.

“De posse desse resultado, que não é conclusivo, eles se acharam no direito de, de forma intimadora, pretensiosa e grosseira, retirar os cães das casas das pessoas. E nesse caso, esses animais estavam sendo levados para serem mortos ”, afirma ela ao G1.

Ainda de acordo com a deputada, o único local no país que gera resultados específicos para a detecção da doença é a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

A morte dos animais foi suspensa pela prefeitura, que irá avaliar as alternativas de outras entidades (Foto: Reprodução / RBS TV)

A Secretaria Municipal de Saúde divulgou em nota que após duas pessoas morrerem por leishmaniose na cidade, a Vigilância em Saúde começou um processo de conscientização sobre o risco de contaminação na região.

Mas, felizmente, após a pressão imposta pelos grupos de ajuda animal, o processo foi suspenso. “A gente conseguiu barrar essa situação agora, mas não tenho dúvida que a intenção era começar com esses 14 cães e a cada semana ir executando outros”, afirma a deputada.

Em nota, a Secretaria disse que suspendeu temporariamente “quaisquer tipos de procedimentos em cães com leishmaniose” e que outras possibilidades estão sendo estudadas para conter a doença. Uma reunião acontecerá nesta segunda-feira (08), com o secretário Erno Harzheim e representantes das entidades, para discutir a questão.

Após o procedimento ser suspenso, os animais voltaram para a Unidade de Medicina Veterinária da Seda, onde estão sob supervisão de especialistas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

APELO

RECOMEÇO

BARBÁRIE

SEGUNDA CHANCE

INSPIRAÇÃO

DESCARTE IRRESPONSÁVEL

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>