Milhares de cavalos, búfalos e porcos são assassinados em patrimônio mundial da UNESCO


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Getty Images

Guardas-florestais mataram aproximadamente 20% dos animais selvagens do Parque Kakadu, um patrimônio mundial da Unesco no Território Australiano do Norte, alegando que os animais podiam causar “danos” à região.

Um total de 3.652 cavalos selvagens foi baleado de um helicóptero por uma equipe de guardas-florestais no parque nacional australiano.

Além deles, 1.965 búfalos, 294 porcos e alguns burros também foram assassinados covardemente pelos oficiais.
Grande parte da terra do local, listado como uma área da UNESCO em 1992, ainda é propriedade de aborígenes Bininj e Mungguy, que habitam a região há dezenas de milhares de anos.

Foto: Getty Images

No entanto, os funcionários do parque afirmam que os assassinados em massa – o maior desde 2009, quando foram mortos 7 mil animais – eram necessários para “proteger o ecossistema sensível” de Kakadu.

“Tem ocorrido um crescente apetite para reduzir os animais, que estavam se disseminando a uma taxa alarmante de acordo com pesquisas feitas no último ano”, argumentou o gerente do parque, Pete Cotsell.

Segundo a reportagem do Express, ele alegou ainda que a “remoção” de grandes animais selvagens permitiria a regeneração de plantas e nascentes”.

Foto: Getty Images

“Nos ecossistemas mais sensíveis do parque, estes animais provavelmente têm causado danos”, disse.
Cotsell não escondeu que o grande fator por trás dos assassinatos em massa é também o intuito de promover a caça e a pesca na região.

A matança brutal ocorreu durante 24 dias. A agência do parque deve trabalhar com os proprietários de Bininj e de Mungguy para desenvolver uma indústria de eliminação de animais em áreas próximas a estradas que funcionam ao longo de Kakadu. Outro objetivo é que os animais caçados se transformem na “carne dos animais domésticos”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ABUSO

ÓRFÃO

COREIA DO SUL

SOB INVESTIGAÇÃO

AGRESSÃO BRUTAL

INSTINTO

VIDA NA RUA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>