Os cães, os pátios da vida ou ‘Jornada vitalícia’


Foto: Marcio de Almeida Bueno
Foto: Marcio de Almeida Bueno

Lembro de uma história em quadrinhos do Demolidor, da Marvel. Um menino cego perdia seu melhor amigo – um cachorro – e o herói tentava encontrá-lo. Obviamente o animal é capturado pela ‘carrocinha’ e vai parar em um CCZ para ser eutanasiado. O veterinário ainda comenta sobre “essa bela coleira” antes de dar a injeção fatal. Com os sentidos ultra apurados, o Demolidor passa mal ao entrar no local, tarde demais, pelo cheiro de morte. Fecha parênteses.

Então hoje eu vi uma pessoa conduzindo um enorme cachorro da raça Golden Retriever – é considerado atualmente o top do ranking de ‘cachorro para a família’ – de dentro de um furgão para uma pet shop, aqui perto de casa. O cão estava faceiro, procurando as novidades com o nariz, arrastando quem lhe conduziria pela coleira. E aí fiquei pensando na confiança total que ele tinha nos humanos. Feliz, onde quer que o levassem, como uma criança. E as crianças precisam ser protegidas, neste nosso mundo de espinhos.

Lembro de um cachorrinho famoso na cidade onde morei em parte da infância e pré-adolescência. Ele costumava pegar pacotes de biscoito em supermercados e levá-los para a fêmea e ninhada. Todos o conheciam. Então eu estava na escadaria do meu colégio, fora do horário de aula, e apareceu esse cachorro. Um colega pegou um tijolo e aprontou o arremesso, enquanto chamava o animal pelo nome, de uma forma ardilosamente carinhosa. Ele ia se aproximando. A cena era forte, prenunciando o que viria a acontecer. Eu não lembro o que veio a seguir, se deixei o local, se impedi, se assisti impotente. Apaguei mesmo, deste meu HD cerebral com bug de B12.

Uma confiança extrema do não-humano no humano. Tal é a coisa, que alguns cães ficam ‘bobos’, independente do porte, outros são sempre agressivos, independente do porte. Como se tivessem uma missão a cumprir, e é preciso fazer bonito para seus ‘donos’. Tem uma garagem em Porto Alegre com um pastor alemão enorme, que se joga com tanta força contra a grade quando algum passante se aproxima demais, que instalaram uma rede de metal. O susto é garantido. Ele passa o dia trombando na tal grade, preso à condição de equipamento-de-segurança-doméstica, bastando água e comida uma vez por dia.

“Veja bem, meu patrão / como pode ser bom / você trabalharia no Sol / e eu tomando banho de mar”, canta Milton Nascimento em ‘Caxangá’.

E nas construções, terrenos vazios e pátios da vida, os cachorros batem continência, batem ponto, e cumprem sua jornada vitalícia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"62516":{"name":"Main Accent","parent":-1}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default Palette","value":{"colors":{"62516":{"val":"rgb(255, 255, 255)"}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
DOE AGORA

COMPARTILHE:

Você viu?

DESPEDIDA

RETROCESSO

FINAL FELIZ

CRIMES

ENCALHE

LIVRE DE PRECONCEITOS

CRIME

POLUIÇÃO

EXPLORAÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"cf6ff":{"name":"Main Color","parent":-1},"73c8d":{"name":"Dark Accent","parent":"cf6ff"}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default","value":{"colors":{"cf6ff":{"val":"rgb(243, 243, 243)","hsl":{"h":0,"s":0.01,"l":0.95}},"73c8d":{"val":"rgb(217, 216, 216)","hsl_parent_dependency":{"h":1,"l":0.85,"s":-0.05}}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
OK
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
>