Gato ganha uma nova chance após ser resgatado de fazenda de carne


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Free Korean Dogs

Ek Park estava dirigindo para casa de sua mãe em Dangjin, na Coreia, quando fez o caminho errado e acabou em uma fazenda de carne de cachorro.

Park, o fundadora da Free Korean Dogs, uma organização que resgata cães de fazendas de carne coreanas e encontra novos lares para os animais na América do Norte, já havia estado nesta fazenda antes, embora esta visita tenha sido acidental. Ela saiu do carro para dar uma olhada e ouviu alguém chorando.

“Quando fui à casa do proprietário, localizada bem ao lado da fazenda de cães, encontrei este pequeno gatinho – tão pequeno, do tamanho de minha mão. Eu podia dizer que ele estava faminto, mas estava muito assustado e chorando”, disse Park.

Foto: Free Korean Dogs

O gatinho, que Park chamou posteriormente de Nimo, estava comendo lixo, de acordo com ela. “Ele estava com tanta fome quando o vi, comendo lixo, talvez tentando comer vermes”, relatou.

Park pegou o gatinho e começou a acariciá-lo. Depois, o proprietário saiu de sua residência. “Ele veio até mim e perguntou o que eu estava fazendo. Eu disse que estava passando e vi o gatinho, ele respondeu que o gatinho era dele”, acrescentou.

Quando ela afirmou que Nimo precisava ser examinado por um veterinário, o homem a ridicularizou. “Ele acreditava que levar um animal para o veterinário era um desperdício total de dinheiro”, conta.

Nimo não era o único animal que precisava de cuidados veterinários. Park observou mais de 100 cães acamados em minúsculas jaulas na propriedade, muitos deles estavam doentes e desnutridos. Os cães acabariam sendo brutalmente mortos e vendidos por sua carne.

Foto: Free Korean Dogs

Quando Park mencionou a necessidade de levar alguns dos cães doentes para o veterinário, o homem ficou enraivecido.

“De repente ele olhou para mim de forma diferente e disse que eu não parecia uma compradora de cães. Ele disse: ‘Por que você está aqui, você é uma ativista de animais, eu os odeio”, revelou.

Temendo por sua segurança, Park decidiu partir. Mas primeiro, ela conseguiu convencer o homem a permitir que levasse Nimo com ela.

Agora que Nimo estava sob seus cuidados, a última coisa que ela queria fazer era deixá-lo. Porém, em dois dias, Park teve que voltar para sua cidade natal, Toronto, no Canadá, e não conseguiu levar Nimo com ela imediatamente.

Foto: Free Korean Dogs

Para poder entrar no Canadá, Nimo primeiro precisaria obter um certificado de vacinação contra a raiva e de saúde. Park pediu ajuda à Jung, uma mulher coreana que abriu sua casa para centenas de cães resgatados das ruas e do comércio de carne.

“Ela [a Sra. Jung] me apresentou a Jiyoon Yi, que se tornou a tutora adotiva da Nimo por três meses na Coreia. Jiyoon tinha cinco filhotes que resgatou de uma loja de tônicos do cão no mercado Chilsung em Daegu. Prometi a ela que eu iria encontrar boas casas para os filhotes em retribuição”, afirmou Park.

Foto: Free Korean Dogs

Park manteve sua promessa – ela transportou cinco filhotes de Yi para a América do Norte e encontrou lares para eles em Nova York e Toronto. Em seguida, vários meses depois, Park retornou à Coreia para trabalhar em um documentário sobre o comércio de carne de cachorro. Quando chegou a hora de voltar para Toronto, levou Nimo com ela.

Nimo tinha crescido e estava mais saudável e ficou bem durante a viagem. “Ele ficou comigo na cabine, então foi melhor. Ele não fez um som, estava tão feliz, dormiu durante todo o caminho. Fiquei muito impressionada”, contou ao The Dodo.

Foto: Free Korean Dogs

Nimo chegou ao Canadá há poucos dias e já encontrou uma casa ao lado de uma boa amiga de Park.

“Desde o primeiro dia, ele era muito afetuoso e imediatamente correu direto para a minha amiga e ela o levou para sua casa. Ele não era tímido, só olhou em volta e pulou em cima de sua cama e desde então ficou lá com ela”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PROTEÇÃO ANIMAL

CRUELDADE

GRATIDÃO

ESPECIAL

ALEGRIA

VÍTIMAS DA CAÇA

MAUS-TRATOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>