Altos níveis de cloro em tanque de aquário destroem saúde de golfinhos


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Sea Shepherd Conservation Society

Para Angel, um raro golfinho albino que vive em um tanque no Museu da Baleia de Taiji, no Japão, a vida é um verdadeiro inferno.
Em 2014, a fêmea foi capturada durante a caça anual de golfinhos em Taiji, na qual pescadores levam centenas – senão milhares – de golfinhos para uma enseada, espancando-os com bastões de metal e interferindo com seu sonar.

Uma vez capturados, os golfinhos considerados mais atraentes são selecionados para serem vendidos para dolphinariums e programas de nado com golfinhos em todo o mundo. O restante é brutalmente morto por suas carnes, muitas vezes na frente de suas próprias famílias.

Como um golfinho albino, Angel foi considerada valiosa pelo Museu da Baleia de Taiji,. Mas em vez de vendê-la a um dolphinarium, o museu a manteve em sua instalação que exibe cetáceos mortos e vivos, assim como instrumentos de caça de baleias. No estabelecimento, Angel passou anos vivendo em um minúsculo tanque e imundo repleto de água clorada, que compartilha com diversos outros golfinhos.

No entanto, a vida de Angel ficou ainda pior. Agora parece que ela não pode sequer abrir os olhos, provavelmente devido aos altos níveis de cloro colocados no tanque, de acordo com ativistas.

“Estou profundamente chocada. Suponho que eles adicionaram muito cloro no tanque e é prejudicial aos olhos dos golfinhos”, disse Jessie Treverton, líder de campanhas da Sea Shepherd Conservation Society Cove Guardians.

Foto: Sea Shepherd Conservation Society

O tanque de Angel sempre foi clorado, mas Treverton (que recentemente passou dois meses em Taiji) suspeita que o museu recentemente colocou mais cloro nos tanques em um esforço para manter o túnel de vidro – onde as pessoas podem ver os golfinhos – livre do crescimento de algas.

“É para que eles não tenham que limpar o tanque com tanta freqüência e o público possa ter uma visão clara. É terrível para o bem-estar dos golfinhos e é totalmente antinatural e muito insalubre para os pobres golfinhos”, enfatizou.

Outros voluntários do Sea Shepherd também visitaram o museu e ficaram horrorizados com o que viram e com o odor do local. “Há duas semanas, documentamos os golfinhos dentro deste tanque sujo e clorado com os olhos inchados, a pele foi corroída, eles eram incapazes de nadar sem movimentos irregulares e antinaturais”, escreveu o Sea Shepherd Cove Guardians em um post no Facebook.

Foto: Sea Shepherd Conservation Society

“Desde a última visita, a água no tanque foi clorada novamente. Ficou evidente para nós assim que caminhamos por meio das portas para o túnel e sentimos o cheiro esmagador de cloro”, completou.

Como uma albina, Angel seria mais suscetível a irritações oculares causadas pelo cloro e o Australia for Dolphins anteriormenteao documentou mantendo os olhos fechados dentro do tanque. Mas, agora, Angel parece ter os olhos fechados o tempo todo.

Porém, não é apenas Angel  que faz isso. Em um vídeo recente, a maioria dos golfinhos do museu aparece com os olhos fechados.

“O que você vê neste vídeo são golfinhos que estão nadando cegamente em círculos, golfinhos flutuando sem vida na superfície, tentando manter seus rostos o mais perto possível da superfície para evitar a dor dolorosa do cloro. O que você percebe é um abuso flagrante”, escreveram os Cove Guardians.

Os altos níveis de cloro no tanque podem resultar em problemas de longo prazo para os golfinhos, de acordo com Naomi Rose, cientista de mamíferos marinhos no Animal Welfare Institute (AWI).

“Em geral, é um problema de qualidade de vida. Os produtos químicos irritam os olhos, então nos tanques onde os níveis são altos o suficiente, os golfinhos mantêm os olhos fechados. Isso não é bom para eles em longo prazo, pois estes produtos químicos podem levar a danos oculares permanentes, outros danos aos tecidos e, eventualmente, problemas de saúde de longo prazo pela ingestão de pequenas quantidades de água com seus peixes”, apontou.

Courtney Vail, bióloga e consultora política independente, também acredita que a saúde de Angel pode estar em perigo.

“Se acreditarmos que os relatórios das equipes que estão monitorando e afirmam que seus olhos estão constantemente fechados, a condição não é normal e deve ser investigada por um veterinário oftalmologista competente”, disse Vail ao The Dodo.

“É possível que ela possa ter uma infecção viral ou bacteriana, ou ambas, e se uma dessas condições for sistêmica, sua vida pode estar em perigo. Os olhos de qualquer animal saudável nunca devem ficar fechados descansando ou piscando”, finalizou.

O que quer que esteja acontecendo, a situação de Angel precisa mudar rapidamente para assegurar sua sobrevivência.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSCIENTIZAÇÃO

SOLIDARIEDADE

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>