Raposas são mutiladas e mortas em festivais religiosos na Índia


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Pinterest

Todos os festivais que ocorrem em Karnataka, na Índia, envolvem alguma forma de tortura e matança de animais. Desde o Ashvamedha Yagna de Mysore, no qual cavalos vivos são jogados em fogueiras, até o Makar Sankranti ou o festival de colheita.

Kadaballi é uma vila na estrada nacional de Bangalore-Mangalore, em Mandya. Sua divindade é Kaveti Ranganatha e é cultuada com raposas vivas no dia após o festival de colheita de Makara Sankranti.

A caça de raposas começa no dia anterior a Sankranti e dura três dias. As redes, que são abençoadas pelo templo, são usadas para caçá-las nos vales da região de Kadaballi, o vale de Kadehalligudda espalhando-se para o distrito de Hassan.

Os caçadores se dividem em dois grupos. O primeiro grupo bate tambores e sopra chifres para conduzir as raposas. O outro grupo aguarda com redes do lado de fora das tocas. Assustadas com o barulho, as raposas saem correndo e são capturadas.

Acredita-se que quanto mais animais são apanhados, mais sortuda será a aldeia. Normalmente, entre cinco e 10 raposas são presas. Às vezes, as raposas são mortas enquanto são capturadas e são enterradas no local, que se torna um lugar “sagrado”. Estas são as “sortudas”.

As raposas capturadas são trazidas de volta com suas bocas e pernas amarradas e mantidas em um recinto atrás do templo. Cerca de 30 mil pessoas se reúnem para as “festividades”, com licor e bombinhas. Às 10 horas, as raposas já meio mortas de terror, são arrastadas para fora.

Suas orelhas são perfuradas com anéis de ouro e elas são levadas a uma procissão barulhenta de tambores, címbalos e dança no templo. Lá, os animais são coroados, água é jogada sobre eles. Bombinhas acesas são amarradas a seus rabos. Suas pernas estão desatadas e elas correm com seus rabos em chamas. A maioria morre devido às feridas.

Dhanaganahalli em Mysore Taluka também pratica a “adoração de raposas”. Lá, a brutalidade é ainda pior. As raposas têm suas bocas costuradas fechadas com agulha e linha comuns. Com o sangue escorrendo de suas bocas, os animais indefesos são apresentados à divindade.

Foto: Canid Specialist Group

Depois disso, as orelhas direitas são cortadas e cães perdidos, que foram capturados com dias de antecedência e mantidos famintos, são soltos nos animais amarrados. Abusadas, sangrando, morrendo, as raposas são soltas.

Os aldeões dizem que cometem essa brutalidade porque consideram a raposa como uma encarnação de Deus. Se isso é o que eles fazem aos seus deuses “no interesse da prosperidade da aldeia”, o que fariam com os demônios? É melhor não perguntar.

A raposa indiana (Vulpes bengalensis) é encontrada no sul do país. É um animal auto-suficiente e solitário que come alimentos variados. O alimento, que não é considerado imediatamente necessário pelas raposas, é enterrado. A espécie possui pele vermelha, espessa e longa, um rabo espesso e orelhas eretas.

Raposas jovens têm uma taxa de mortalidade muito alta. A fêmea leva de três a cinco jovens, mas a maioria morre antes de se tornar independente. Se a mãe é morta, o pai assume a criação. De fato, assim que os bebês nascem, o pai começa a levar comida para a mãe. Ele leva sua família para um passeio quando eles crescem o suficiente para ver o mundo.

A capacidade das raposas de escaparem de seus caçadores é extremamente limitada. Elas podem ser caçadas ano após ano nos mesmos locais. São facilmente atraídas pela imitação de seus sons e aparecem prontamente. Muitas vezes não conseguem saltar para um buraco até que seus caçadores tenham desaparecido, segundo o First Post.

Elas não correm até a água para disfarçar seu cheiro como os cervos, por exemplo. São criaturas tímidas e ansiosas que vivem da melhor forma que podem. A raposa indiana é pequena e não tem o odor forte de outras raposas. Infelizmente, é esta espécie que os moradores de Karnataka perseguem, mutilam e matam.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>