Menina de 2 anos desenvolve o mais doce vínculo com vaca órfã


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Lacey Gray

Lacey Gray e seu marido nunca esperariam dar as boas-vindas a uma pequena vaca órfã em sua casa – mas o tempo que passaram com o novo membro da nova família, Molly, tem mudado suas vida até agora.

Isso é especialmente verdadeiro quando se trata da filha de dois anos dos Gray, chamada Kinley. “Não percebi a conexão que minha filha teria com Molly. Eu não fazia ideia de que ia ser assim”, contou Lacey.

Os Grays vivem em Memphis, Tennessee, onde Lacey trabalha como fotógrafa. Recentemente, um cliente pediu uma sessão de fotos de um bezerro, assim ela contatou o tio do seu marido, que cuida de vacas em um pasto próximo.

Foto: Lacey Gray

“Perguntei se poderia me emprestar um dos bezerros. Ele disse, ‘Não é assim que funciona, você vai ver uma mãe muito chateada daquele bezerro’. Depois disso, decidi que não faria as fotos”, lembra Lacey.

Mas então uma tragédia ocorreu e algo belo surgiu a partir daí. No dia seguinte, o tio deu a Lacey a notícia de que uma das vacas tinha sido ferida em uma queda e provavelmente não iria sobreviver. Ela tinha acabado de dar à luz a Molly, um bezerro que morreria também sem os cuidados da mãe.

“Ele ligou e perguntou se podíamos cuidar dela. Eu disse que sim, não tinha contado para o meu marido ainda”, acrescentou.
Kinley não sabia sobre a vaca, mas ela abraçou-a além de todas as expectativas. Naquela noite, Molly chegou e Kinley logo começou a fazer o bezerro se sentir em casa.

“Nós a trouxemos para dentro na primeira noite porque não queríamos que ela ficasse assustada. Minha garotinha sentou-se com ela e disse: ‘Ei Molly, Hey Molly!’. Molly entrou no quarto de Kinley e Kinley disse: ‘Este é o meu quarto, esses são meus brinquedos”, afirmou Lacey.

Foto: Lacey Gray

Apesar do arranjo atípico, eles pareceram se ajustar muito bem. “Kinley tornou-se muito próxima de Molly muito rapidamente. É como se fossem irmãs”, completou a tutora.

Molly foi transferida para um lugar acolhedor na parte externa. É lá que Lacey lhe dá mamadeira várias vezes por dia. Enquanto isso, Kinley tem se assegurado de que o coração da pequena vaca permaneça bem também.

“Ela gosta de alimentar Molly por conta própria, mas quando Kinley sai, Molly adora lamber toda a face, beijar o nariz e as orelhas. Ela não gosta de beijar apenas uma orelha, sempre tem que ser ambas, ela também dá os abraços, é a coisa mais doce”, declarou Kinley.

Foto: Lacey Gray

Com alguma sorte, Molly irá crescer grande e forte com a ajuda de Kinley e sua nova família e eles irão analisar se ela ficará mais feliz em casa com eles ou de volta ao pasto com outras vacas. Até esse dia chegar, eles estão apenas desfrutando de cada momento de sua presença em suas vidas.

“Queria dar a Molly a sensação de ter uma ótima mãe, que ela sentisse que podia depender de alguém. Temos um grande vínculo, mas adoro o vínculo que ela tem com Kinley. É algo que eu não esperava, que ficaríamos tão conectadas e que a amássemos tanto e que ela nos amaria tanto”, disse Lacey ao The Dodo.

No final, Molly fez parte de uma seção de fotos, como um membro da família. “Ter Molly mudou nossas vidas. Todos nós a amamos. Foi uma grande coisa”, finalizou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CHINA

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO

COMPAIXÃO

VIOLÊNCIA

PESQUISA

APELO

RECOMEÇO

BARBÁRIE

SEGUNDA CHANCE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>