Yahoo Japão se recusa a proibir venda de peças feitas com marfim


Foto: Divulgação

O Yahoo Japan se recusa proibir a venda de produtos feitos de marfim, mesmo após exigências da CEO do Yahoo EUA, Marissa Mayer, para dar fim em negociações do gênero. A rede ativista Avaaz lançou uma campanha solicitando que o Yahoo se posicione a respeito e para de uma vez com o comércio. A petição, que já conta com mais de um milhão de assinaturas, pede à empresa que “urgentemente interrompa todas as vendas de marfim de sites/plataformas no Japão e em todos os outros mercados”.

O marfim é extraído das presas de elefantes africanos para ser vendido seja em estado bruto, seja na forma de adornos, jóias ou peças maiores feitas do material. Seu preço elevado alimenta uma indústria de caça de elefantes que ameaça os animais de extinção.

Foto: Divulgação

Segundo a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres da ONU, um quinto dos elefantes do continente africano podem ser mortos até 2020 por conta desse mercado. A Convenção, da qual o Brasil é signatário, proíbe a venda internacional de marfim desde 1989.

Tanto a Amazon quanto o Google já baniram a venda de marfim em suas plataformas. No site japonês da Yahoo, contudo, itens feitos do material continuam a ser comercializados normalmente. De acordo com o Guardian, os produtos de marfim disponíveis na plataforma nessa semana tinham preços entre US$ 20 e US$ 60 mil.

Resposta da empresa

De acordo com a representação americana do Yahoo, no entanto, a empresa é apenas uma das investidoras da Yahoo Japan, e não tem controle acionário sobre a empresa japonesa. A Yahoo é dona de 35,5% da Yahoo Japan; a maior acionista da empresa é a SoftBank, empresa de telecomunicações também japonesa, que detém 36,4% das ações.

Foto: Divulgação

Não é o primeiro problema do tipo que a empresa enfrenta: em abril de 2015, a Agência de Investigação Ambiental do Reino Unido acusou a Yahoo Japan de vender carne de baleia e de golfinho. A empresa é o único e-commerce japonês que continua a vender produtos do tipo.

Ao Guardian, uma representante da empresa disse que “no Yahoo, nós entendemos as questões levantadas por essa campanha, e não aceitamos de nenhuma forma a venda de produtos feitos de marfim obtido de qualquer animal em risco de extinção. A Yahoo não aceita anúncios de marfim em nossas políticas atuais”

Fonte: Olhar Digital


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DOÇURA

EXTINÇÃO

SONHO REALIZADO

CARIBE

POLÍTICA AMBIENTAL

SÃO PAULO

AÇÃO HUMANA

TRAGÉDIA

MASSACRE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>