Foto comovente retrata os últimos momentos de liberdade de um golfinho capturado em Taiji


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Ric O’Barry’s Dolphin Project /Facebook
Foto: Ric O’Barry’s Dolphin Project /Facebook

Imagine toda a sua família, todos que você conhece, sendo conduzidos para um pequeno espaço onde irão sofrer uma morte violenta e dolorosa, exceto os poucos “sortudos” que serão vendidos para ter uma vida de performances diante do público. Este é o destino de inúmeros golfinhos selvagens e livres que vagam pelas águas do Oceano Pacífico.

Todos os anos, entre o dia 1º de setembro e o final de fevereiro, é realizada a tenebrosa caça anual de golfinhos em Taiji, no Japão. Uma grande tropa de navios de pesca japoneses passa seus dias levando golfinhos selvagens para longe do oceano aberto para uma pequena enseada adjacente à cidade de Taiji, onde os animais são confinados e enfrentam esse destino horrível.

Uma vez capturados, os golfinhos são avaliados por treinadores de parques marinhos, que selecionam aqueles que gostariam de manter em seus tanques.

Os poucos escolhidos são rapidamente arrancados de suas famílias, que agora enfrentam uma morte torturante envolvendo um grande bastão de metal que é empurrado para dentro de seus crânios enquanto os membros restantes da família assistem à cena com extremo horror e angústia.

Esta imagem capturada pelo Ric O’Barry’s Dolphin Project mostra os últimos momentos de liberdade de um golfinho. Os poucos escolhidos que irão para parques marinhos dificilmente têm uma vida melhor. Sofrimento mental, frustração e complicações de saúde são consequências frequentes do cativeiro.

Nenhum animal deveria viver confinado, mas em se tratando de seres sencientes com uma inteligência mental e emocional tão impressionante como os cetáceos, isso é o verdadeiro inferno na Terra.

Os pescadores envolvidos dirão que tudo isso faz parte de uma tradição nacional, mas a verdade é que essas caçadas não começaram até 1969 e os interesses comerciais são o verdadeiro motivo.

Cabe a nós pôr um fim a estas cruéis matanças de golfinhos e podemos fazer isso ao não financiar instalações de cativeiro marinho, apoiando o trabalho de Ric O’Barry’s Dolphin Project (uma organização dedicada a combater esta atrocidade) e conscientizando outras pessoas sobre o grande sofrimento provocado por essa indústria, reportou o One Green Planet.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SOB INVESTIGAÇÃO

AGRESSÃO BRUTAL

INSTINTO

VIDA NA RUA

RESPEITO E AFETO

FINAL FELIZ

TRISTEZA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>