avanço

China anuncia que irá proibir mercado de marfim em 2017 para proteger elefantes

A caça ao marfim é o principal motivo para o perigo de extinção do animal
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O governo chinês anunciou hoje em comunicado que o mercado de marfim no país terminará em março de 2017, como forma de ajudar na proteção de elefantes africanos.

A China já havia anunciado anteriormente seus planos para acabar com este tipo de comércio, o que defensores dos animais vêm apontando há anos como um importante passo para a preservação dos elefantes — o crescente consumo no país é responsável pela maior parte da caça aos elefantes na África. Há quem estime que 70% dos produtos que circulam neste mercado predatório terminem ali.

A decisão segue uma resolução da Conferência das Partes da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e da Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites) que aconteceu em outubro, na África do Sul.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Enquanto o mercado internacional de marfim foi fechado em 1989, sistemais legais de comércio permaneceram em vários países pelo mundo.

Em abril, em um ato simbólico, o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, incendiou 105 toneladas de marfim no parque nacional de Nairóbi. O “ouro branco” queimado fazia parte da reserva de marfim do país, constituída quando o comércio internacinal do material foi proibido. Ele pediu o fim da prática predatória, apontando para os danos aos animais e ao patrimônio natural.

A matança dos animais nestes últimos sete anos reduziu as populações de elefantes da África a um terço, segundo o recém-divulgado Grande Censo de Elefantes.

Grupos crimonosos têm usado o mercado legal chinês como cobertura para seus negócios ilegais na caça de animais.

Fonte: O Globo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui