Minas Gerais

Crescem tratamentos holísticos para animais em Uberlândia

Quando chegou à clínica onde atua, em uma manhã de agosto de 2015, a veterinária Aline Coelho se deparou com uma cadelinha se arrastando na calçada e não conseguiu fingir...

106

15/11/2016 às 16:00
Por Redação

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
Divulgação

Divulgação

Quando chegou à clínica onde atua, em uma manhã de agosto de 2015, a veterinária Aline Coelho se deparou com uma cadelinha se arrastando na calçada e não conseguiu fingir que não viu. Com fraturas na bacia e fêmur, infecção urinária e uterina, Pepita tinha o prognóstico de perder o movimento das patas. Depois de complicações na castração, agravadas pela doença do carrapato, as cirurgias previstas ficaram inviáveis. Foi o início da segunda vida de Pepita, com tratamentos holísticos.

Tratada à base de acupuntura, implante de catgut e florais, a cadela foi totalmente curada. Nos últimos quatro anos, cada vez mais veterinários de Uberlândia abraçam as terapias holísticas da medicina complementar, que são agregadas aos tratamentos convencionais, sem perspectiva de substituí-los, trazendo uma visão sistêmica e energética ao processo de cura. “Não se trata de religião, mas de energia, de buscar um equilíbrio entre mente, corpo e corpo energético”, disse Aline Coelho.

Entre os profissionais pioneiros na aplicação da acupuntura em animais na cidade, está a veterinária Lilian Tannús, que começou a trabalhar a técnica em Uberlândia há 9 anos. “Na época, meus colegas achavam que ia morrer de fome e meus clientes não queriam o tratamento nem de graça. Hoje, trabalho apenas nessa linha, além de ver vários colegas adotando a prática. A comunidade, cada vez mais, atesta a eficácia da prática, deixando de vê-la como futilidade”, disse Lilian Tannús.

Além da acupuntura, a veterinária trabalha com florais, homeopatia, ozônioterapia, aromoterapia, cromoterapia e Reiki. “Trabalhamos na perspectiva de medicina complementar ou integrativa, não como alternativa, justamente porque não vem para substituir o tratamento clínico, mas para contribuir para a cura. Ao contrário da lentidão que a maioria atribui aos métodos holísticos, como atuamos de forma personalizada, o resultado é muito rápido”, afirmou a especialista.

A veterinária Cláudia Frare também trabalha com a acupuntura, associada à fisioterapia veterinária, uma prática igualmente pouco difundida. “Atuo na área desde 2011, quando finalizei uma pós-graduação em São Paulo (SP). A acupuntura veio no ano seguinte, depois que cursei uma especialização no Instituto Jaqueline Pecker, aqui em Uberlândia, que já conta com uma escola especializada, devido à grande demanda de profissionais da cidade e região”, disse Cláudia Frare.

Ainda segundo a veterinária, as técnicas são eficientes no tratamento de lesões ortopédicas e na coluna, hérnias de disco, entre outras. “Aplicamos as duas terapias na mesma sessão, segundo as necessidades avaliadas. O animal recebe a aparelhagem de fisioterapia, uma terapia mecânica que atua na regeneração das lesões e, depois, recebe a acupuntura, que atua na bioenergética’, disse Cláudia Frare, que trabalha com técnicas de laser, eletro, magne, hidro e cinesioterapia.

Tutores de animais aderem aos novos métodos e aprovam os resultados
A população de Uberlândia também adere às técnicas da medicina veterinária complementar, sobretudo, para tratamento de animais mais velhos, inclusive, de doenças mais graves, como o câncer. Entre os relatos dos chamados tutores, está o surpreendente rejuvenescimento dos animais.

A administradora Andréa Marques foi orientada pela veterinária a procurar a acupuntura quando sua cadelinha, Julie, de 11 anos, começou a sofrer problemas nas articulações, por ser obesa. “Ela virou outra, com muito mais disposição e menor dor”, disse Andréa Marques. No meio tempo, a cachorra desenvolveu câncer de mama. Após a extração do nódulo e quimioterapia, começou também cromoterapia e ozônioterapia, por serem antioxidantes. “Ela está reagindo muito bem. Agora, é acompanhar para ver a evolução da doença”, disse a tutora.

No caso de Raica, cadelinha de 10 anos do estudante Mateus Barros de Melo, a eletroacupuntura foi escolhida para tratar uma displasia na junção do quadril com o fêmur e, mais tarde, nódulos malignos. “Começamos a ozônioterapia para preparar o corpo dela para a doença. Havia possibilidade de amputar a orelha e fazer quimioterapia, mas achei muito agressivo. A reação dela foi tão boa que nem precisou. Os novos exames mostraram regressão da doença, os nódulos estão estagnados e ela rejuvenesceu uns cinco anos”, disse Melo.

Constelação sistêmica restabelece as emoções
Entre os tratamentos não convencionais oferecidos em Uberlândia, está ainda o estudo do comportamento dos animais para o restabelecimento do equilíbrio emocional de cães e gatos, em casos de distúrbios, inclusive, lançando mão de técnicas como a constelação sistêmica, que traça um histórico da relação entre paciente e tutor.

Fundadora do Instituto de Psicologia Canina, a treinadora de cães Hoden Rodrigues Borges é uma das poucas referências na área na cidade. “O termo psicologia animal deve ser usado com muita cautela, pois não remete à ciência já difundida, mas ao estudo de traços da alma dos animais e sua relação com o meio em que vive”, disse Hoden Borges, que atua com técnicas, como Reiki, radiestesia e constelação sistêmica.

Já restabelecida, Pepita começou a demonstrar agressividade no trato com pessoas que se aproximavam de sua tutora, a veterinária Aline Coelho. “Fizemos uma constelação sistêmica e identificamos que ela veio para cuidar de mim e para que eu cuidasse dela. Diante disso, constatamos que Pepita não tinha um distúrbio de comportamento, mas necessidades que eu não conseguia suprir, como espaço e passeios. Entendi que tinha sido uma ponte para promover sua saúde e para que fosse feliz em outro lugar e, então, consegui desapegar, encontrando uma nova família para ela”, disse Aline Coelho.

Odontologia sem anestesia é feita por profissional
Há 4 anos, a veterinária Aline Coelho introduziu em Uberlândia a Odontologia sem anestesia para animais, que mobiliza técnicas holísticas, como Reiki, aromaterapia, musicoterapia e florais, para relaxar o animal em intervenções. “O principal procedimento que faço é profilaxia bucal. Sabemos que a limpeza ajuda a evitar problemas cardíacos, renais, intestinais, mas envolve um risco, por depender de anestesia geral, que deprime funções vitais, podendo levar a choque anafilático”, disse a veterinária.

Segundo Aline Coelho, que também é cirurgiã, não se questiona o uso da anestesia. “Se existe uma técnica que pode substituir a sedação em limpeza bucal e complementa-la em intervenções mais agressivas, não tem porque não usarmos. Em geral, 95% dos animais se adéquam. Pode ser bravo e ansioso que consigo limpar dente por dente, com ele acordado. A maior prova é que faço limpeza em gatos também”, disse Aline Coelho.

A técnica foi aprovada pela estudante Evelyn Rose de Almeida e sua mãe. “Fomos orientadas por uma veterinária a buscarmos a odontologia sem anestesia para fazermos a limpeza da nossa gatinha, Ninica, de 8 anos, pois estávamos com medo de dar anestesia nela, pela idade. Ela tomou três gotinhas do floral e ficou muito relaxada, o que nos surpreendeu, porque é arisca. Já levamos duas vezes e adoramos, sem contar a redução do risco da anestesia”, disse Evelyn Almeida.

Principais técnicas
Acupuntura
Técnica da medicina tradicional chinesa reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), é baseada sobretudo no estímulo de agulha em terminações nervosas que atuam em regiões do corpo, a partir de mapas veterinários que respeitam variações anatômicas. Indicada para tratamento de qualquer enfermidade, inclusive, de cinomose em fase aguda, câncer, paralisia de membros, sequela de AVC, problemas renais e cardíacos graves, diabetes, epilepsia, entre outros.

Reike
Técnica de posicionamento de mãos reconhecida pela OMS, em que o aplicador canaliza a energia do universo com as mãos e direciona a pontos energéticos chamados de chacras, como o topo da cabeça e a boca do estômago. Indicado, por exemplo, para suavizar efeitos da quimioterapia, diminuir a dor e combater a ansiedade.

Florais
Manipulações produzidas à base de flores e folhas, indicadas para tratar questões mais ligadas à emoção. Indicada para restaurar equilíbrio emocional e complementar tratamentos traumáticos, como o câncer.

Homeopatia
Manipulações que tratam diferentes problemas físicos, como dor de coluna e controle da glicemia, de forma direcionada ao paciente e oferecendo menos efeitos colaterais e maior economia que as medicações alopáticas.

Ozônioterapia
Tratamento à base de gás, indicado principalmente ao tratamento oncológico, por ter propriedades antioxidantes, favorecendo a recuperação de lesões e energização das células do corpo.

Aromoterapia
Tratamento à base óleos essenciais, usados para massagear pontos lesionados e doloridos do corpo, que ajuda ainda no relaxamento e drenagem linfática, sobretudo, para pacientes pós-operados.

Cromoterapia
Tratamento à base de luzes coloridas, reconhecido pela OMS, que se baseia no comprimento de cada onda e sua influência energética em diferentes regiões do corpo, para tratar problemas articulares, quadros de anemia e melhorar a imunidade.

Fisioterapia
Tratamento baseado em aparelhos modernos, capazes de acelerar o restabelecimento molecular e curar lesões com maior rapidez. A fisioterapia pode ter diferentes condutores, como a água na hidroterapia, que contribui para restabelecer funções motoras, tonificar massa muscular e melhorar condicionamento físico. Há ainda a laserterapia

Fonte: Correio de Uberlândia

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.