Investigação: polvos e lagostas são mutilados vivos em restaurantes


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Thickstock
Thickstock

Imagens terríveis que mostram restaurantes norte-americanos servindo animais vivos aos seus clientes foram reveladas por uma investigação feita por ativistas pelos direitos animais.

Um estabelecimento em particular, o T Equals Fish, que é apenas um dos mais de 12 restaurantes em Los Angeles e em Nova York que servem animais vivos, tortura polvos vivos e a forma como o polvo é “preparado” é ainda mais perturbadora.

O chef segura o animal e começa a cortar seus membros sensíveis, um por um, que ainda continuam a se mover depois de serem arrancados para satisfazer o apetite arcaico e cruel dos clientes.

O polvo é então tragicamente mantido vivo até que todos os seus membros sejam arrancados. Depois que cada parte é cortada, o animal vivo é inacreditavelmente empurrado para o lado. Um chef disse que o animal é finalmente morto e quando seu manto é dilacerado e o conteúdo intestinal retirado.

“O polvo, que é cortado em pedaços, sente dor toda vez que alguém faz isso. É tão doloroso como se fosse um porco, um peixe ou um coelho, se você cortar a perna de um coelho pedaço por pedaço. É uma algo bárbaro fazer isso com esses animais “, disse a especialista em cefalópodes, Jennifer Mather.

Os polvos são criaturas marinhas extremamente inteligentes e quando se trata de experimentar a dor, Mather explica que eles “podem antecipar uma situação dolorosa, difícil e estressante e se lembrar dela. Não há absolutamente nenhuma dúvida de que eles sentem dor”.

PETA
PETA

Animais marinhos, como camarões e lagostas desenvolveram sistemas nervosos que lhes permitem sentir dor. Eles também exibem comportamentos de proteção assim como outros animais, como cães, porcos ou primatas, quando estão sofrendo.

Camarões e lagostas também são mutilados e servidos vivos em refeições. As caudas dos camarões são cortadas e banhadas ao lado de seus corpos ainda vivos. Além disso, seu exoesqueleto protetor também é rasgado.

Os chefs desses estabelecimentos também arrancam as caudas de lagostas para prepará-las “ao estilo sashimi” e servi-las em um prato ao lado de seus corpos vivos. Estes animais também são cozidos vivos em alguns restaurantes, segundo a PETA.

“Uma lagosta sofre muito ao ser cortada e sente toda a dor até que seu sistema nervoso seja destruído”, diz o zoologista especializado em invertebrados Jaren G. Horsley.

Nota da Redação: É repugnante saber que estes animais são torturados vivos e assassinados de maneira tão bárbara após experimentarem uma dor extremamente agonizante. Infelizmente, esta investigação é apenas uma entre inúmeras que denuncia a crueldade e o completo descaso da humanidade com outras espécies.  Assim como nós,  todos os animais possuem direitos e jamais devem ser explorados e mortos para satisfazer os palares ou qualquer outro pretexto usado por seres humanos.

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DOÇURA

EXTINÇÃO

SONHO REALIZADO

CARIBE

POLÍTICA AMBIENTAL

SÃO PAULO

AÇÃO HUMANA

TRAGÉDIA

MASSACRE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>