Gatinhos filhotes reconhecem a voz da própria mãe


Divulgação
Divulgação

Gatos já nascem bilíngues: fluentes em miau e maternalês. Um novo estudo descobriu que, desde muito cedo, com apenas 2 semanas, os filhotes são capazes de reconhecer com muita precisão a voz de suas mães.

Os cientistas usaram gravações de três mamães gato diferentes. Os pesquisadores conseguiram demonstrar que, quando escutam sua mãe se aproximando, o gatinhos ficam mais alertas por bem mais tempo e tendem a se aproximar dos alto-falantes, na expectativa de a mãe aparecer. Também ficam mais barulhentos: filhotes de gato geralmente se mantém quietinhos enquanto estão sozinhos, e só ficam falantes quando a matriarca está por perto.

Esse processo de reconhecimento é bem mais complexo do que parece. É como se as mães tivessem que desenvolver um idioma que só é compreendido entre elas e os filhotes, e depois precisasse ensiná-los a entender que é ela quem está falando.

Para começar, os pesquisadores observaram que, perto dos seus filhotes, as mães não miam normalmente. Quando estão com a ninhada, elas só ronronam ou emitem um gorjeio engraçado, parecido com o dos pássaros.

Divulgação
Divulgação

Esse gorjeio é como se fosse uma marca registrada. O miado de duas gatas tende a ser relativamente parecido. Já a análise acústica do gorjeio, chamado de “chirp” em inglês, mostrou que ele é exclusivo de cada mãe.

A teoria dos pesquisadores é de que as mães ensinam seus filhotes a associar esses sons com calor, leite e carinho – ou seja, uma sensação completa de segurança. Tanto que, no teste com as gravações, os gatinhos não ficavam tão animados com o miado da mãe. O importante para eles, mesmo, era o gorjeio maternal.

Esse idioma mamãe-bebê provavelmente nasceu de uma necessidade evolutiva. Para um mamífero, conseguir reconhecer a mãe é importante por dois motivos: se o filhote tentar mamar na gata errada, no mínimo, vai tomar um safanão. Em segundo lugar, os gatos precisam ficar quietinhos para evitar o ataque de predadores – e por isso, saber identificar a mãe como um sinal de segurança é essencial.

A conclusão dos pesquisadores é que, por pressão evolutiva, as gatas desenvolveram esse gorjeio especificamente para a comunicação com os filhotes. Quando eles ficam mais velhos, continuam entendendo o som como um comunicado para seguir a mãe para fora do ninho. Para os cientistas, essa capacidade de aprender uma linguagem tão cedo na vida é sinal de que as habilidades cognitivas dos gatos são ainda mais impressionantes do que imaginávamos.

Fonte: Super Interessante


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PESQUISA

APELO

RECOMEÇO

BARBÁRIE

SEGUNDA CHANCE

INSPIRAÇÃO

DESCARTE IRRESPONSÁVEL

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>