Os inocentes culpados

Bruna Araujo
October 10, 2016

Revista Isto É
Revista Isto É

Numa infeliz matéria publicada na Revista Isto É (páginas 60 e 61), edição semanal do dia 05 de outubro, assinada pelo jornalista Raul Montenegro, uma denúncia que deveria colocar os humanos como vitimários os convertem em vítimas e os chimpanzés, em culpados (ler a matéria na íntegra revista-isto-e-05102016)

A matéria se baseia no abandono de um grupo de chimpanzés numa ilha ignorada no país africano da Libéria. Após anos de pesquisa e tortura, estes estavam sob o controle do Banco de Sangue de Nova Iorque (sigla em inglês NYBC), sendo submetidos a experiências com várias doenças humanas, entre elas diversos vírus de Hepatitis.

O NYBC foi denunciado mundialmente por sua crueldade ao usar esses grandes símios, e agora abandoná-los a sua sorte numa ilha que não tem recursos alimentícios para sua sobrevivência.

O jornalista, talvez, para justificar o agressor humano, declara falsamente que “os chimpanzés são o principal vetor de várias doenças que atacam o homem”.

Na realidade os grandes predadores de chimpanzés, gorilas e orangotangos, em seu habitat selvático, via caça, tráfico e morte, são os humanos. Populações inteiras de grandes símios têm sido aniquiladas por doenças humanas transmitidas a uma população que não tem imunidade para resisti-las. Entre as doenças que o jornalista coloca como transmitidas por grandes símios aos humanos, sem mostrar alguma prova, são AIDS, EBOLA, ZIKA, FEBRE AMARELA e VARÍOLA DOS MACACOS.

Para sustentar esta falsa argumentação, menciona declarações de dois microbiologistas da UNIFESP, que duvidamos sobre o respaldo a esse artigo na Isto É. Um microbiologista conhecido como Celso Granato é cotado falando esta barbaridade: “Se alguém se contaminasse com um bicho desses e pegasse um avião para Nova York seria uma catástrofe…”

A circulação de humanos doentes sem controle pelo mundo é na realidade a causa da transmissão de todas essas doenças relacionadas e não o contato com os primatas que lutam desesperadamente para sobreviver em um habitat cada dia mais inexistente.

No lugar de lutar pela salvação dos infelizes chimpanzés abandonados a sua sorte naquela ilha da Libéria, sugere quase sua eliminação para evitar a disseminação das doenças neles inoculadas, as quais milhões de humanos portadores das mesmas transmitem diariamente aos seus semelhantes.

Em outra das suas conclusões estapafúrdias na matéria, sugere que nos zoológicos é seguro ver os macacos, porém, não nas florestas, onde terríveis doenças são incubadas. Se esquece de colocar que nos zoológicos aqueles terríveis inimigos primatas são submetidos a todo tipo de contaminações dos humanos que os visitam constantemente e terminam morrendo prematuramente, sem que ninguém se importe por esta cruel prática e destino de espécies pelas quais devemos respeitar e zelar por sua existência.

 


Você viu?

Em busca de companhias,

Fonte: g1.globo.com Uma das

Pixabay Aproximadamente 50 ativistas

Grupo de guardas ambientais

Foto: Reprodução Youtube /

Reprodução/Instagram/@osindefesos Três cachorros tiveram

The Dodo Onyx e

Foto: Reprodução/GRAD A destruição

Foto: Pixabay A tradição

Notícias | Você é o repórter | Histórias felizes | De olho no planeta


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"cf6ff":{"name":"Main Color","parent":-1},"73c8d":{"name":"Dark Accent","parent":"cf6ff"}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default","value":{"colors":{"cf6ff":{"val":"rgb(243, 243, 243)","hsl":{"h":0,"s":0.01,"l":0.95}},"73c8d":{"val":"rgb(217, 216, 216)","hsl_parent_dependency":{"h":1,"l":0.85,"s":-0.05}}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
OK
>