Portugal registra vários casos de suicídio de médicos veterinários


Divulgação
Divulgação

No Dia Mundial do Animal, o veterinário Jorge Cid explicou que os casos de suicídio nesta profissão “não são um nem dois”.

“É uma profissão extremamente estressante”, disse o bastonário, recordando algumas das pressões a que estes profissionais estão sujeitos: “Quem faz inspeção pode sofrer pressões ao nível de alguns agentes econômicos” e quem faz clínica, nomeadamente de animais domésticos, lida muitas vezes com a morte, com um grande desgosto das pessoas”.

“As pessoas colocam em nós uma carga grande, a qual às vezes temos dificuldade em ultrapassar”, acrescentou.

Segundo Jorge Cid, os veterinários são muitas vezes psicólogos. “As pessoas desabafam conosco. Há casos extremos, em que sabemos que aquele animal é a única companhia da pessoa — e há imensos casos — e desenvolve-se ali uma grande carga psicológica” quando o animal sofre uma doença crônica que o vai provavelmente matar.

O bastonário explicou que estes profissionais são muitas vezes chamados a resolver situações, para as quais não têm meios. “Tudo isto causa alguma depressão e que pode eventualmente, dado o alto estresse, levar a pessoa a suicidar-se”, afirmou.

Outra situação causadora de estresse é o conhecimento de casos de maus-tratos, que não poucas vezes acabam nos consultórios. “Há uma panóplia de situações que são extremamente difíceis e a pessoa tem que ter uma grande estrutura física e moral para as aguentar”, disse, concluindo que este é ainda “um trabalho mal remunerado”.

“Se soubessem a realidade, os ordenados e a precariedade, muitas pessoas não entrariam na profissão”, concluiu.

Um estudo elaborado por David Bartram, do Grupo de Saúde Mental da Universidade de Southampton School of Medicine (Inglaterra), concluiu que os médicos veterinários têm uma taxa de suicídio quatro vezes superior à população geral e duas vezes superior a outras profissões.

Em Portugal, o veterinário e especialista europeu do comportamento animal Gonçalo Pereira coordenou um estudo, envolvendo cerca de um quarto dos profissionais, sobre a ansiedade, estresse, depressão desgaste profissional e satisfação com a vida que confirma estes valores “preocupantes”.

“Somos uma classe que não está sequer preparada para identificar os sinais de depressão e de desgaste profissional”, disse.

Segundo Gonçalo Pereira, ao nível dos veterinários de animais de companhia, são os especialistas em oncologia e comportamento animal os que têm menos satisfação com a vida, “talvez por serem as áreas mais frustrantes devido ao final de muitos dos casos”.

“Os níveis de ansiedade, de estresse e de pressão da classe estão muito elevados”, adiantou.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Notícias ao Minuto


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR

EMPATIA

AMOR

CRUELDADE

CHINA

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO

COMPAIXÃO

VIOLÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>