Milhares de golfinhos devem ser assassinados em massacre anual no Japão


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/Wikipedia
Reprodução/Wikipedia

Todos os anos, entre setembro e março, ocorre um massacre de golfinhos no Japão. Pescadores aprisionam e assassinam milhares de animais durante a caça anual em Taiji. Eles rastreiam e encurralam os mamíferos cujas vidas são encerradas de maneira tenebrosa.

Uma vez que são capturados, alguns golfinhos são escolhidos para serem vendidos a parques marinhos e explorados para fins de entretenimento em todo o Japão, China e em outros países. Os outros são brutalmente assassinados por sua carne. Esta caça anual desperta indignação e críticas em todo o mundo, mas, infelizmente, ainda acontece.

Para lutar contra esta realidade perturbadora, o ex-treinador de golfinhos e ativista Ric O’Barry fundou a organização Dolphin Project que tenta conscientizar as pessoas e sensibilizá-las para esta barbaridade. Este é o 14º ano em que o grupo volta a Tajii para gravar os assassinatos perturbadores dos animais.

O trabalho de O’Barry, foi retratado no documentário “The Cove”, vencedor do Oscar de 2010,  e que expõe um olhar em primeira mão sobre o horror da caça anual de golfinhos.

As filmagens são incrivelmente difíceis de ver.  Os golfinhos fêmeas são ouvidos se comunicando e acalmando seus filhotes enquanto a água ao redor deles fica completamente vermelha devido ao sangue dos animais mortos.

O método utilizado para assassinar os golfinhos não só é terrível, como lhes causa uma dor excruciante. Antes, os pescadores esperavam alguns dias para os animais se acalmarem depois de serem capturados e depois retornavam e cortavam suas gargantas, deixando-os sangrar até a morte.

Posteriormente, isto foi proibido e considerado “cruel demais”. Agora, os pescadores apunhalam os animais com arpões que dilaceram a coluna cervical dos golfinhos, causando uma dor profunda nos animais.

Os pescadores também tentam impedir o trabalho de O’Barry e sua equipe. “Cada ano fica mais difícil, eles erguem barricadas e restringem o acesso para nos bloquear, mas não paramos.” No entanto, pela primeira vez em 14 anos, O’Barry não está em Taiji com o Dolphin Project.

Obviamente prejudicadas com a exposição da matança de animais, as autoridades japonesas proibiram o ativista de voltar ao país alegando problemas com seu visto de turista.

Segundo o Dolphin Project, todos os anos, oficialmente cerca de 1800 animais são assassinados  durante a temporada de caça, mas este número não reflete as milhares de  mortes que não são contabilizadas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SOLIDARIEDADE

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO

VISIBILIDADE

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>