Caça dizima 30% de elefantes africanos


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Tony Karumba, AFP
Foto: Tony Karumba, AFP

A caça tem impulsionado um grande declínio de elefantes nas savanas da África e os animais devem ser extintos rapidamente. Segundo um censo inédito, 30% da espécie foi dizimada entre 2007 e 2014.

Neste período, 144 mil animais foram assassinados em 15 países africanos, o que representa uma diminuição de 8% ao ano. Hoje, a população de elefantes nestes países é de 352,271 indivíduos.

Angola, Moçambique e Tanzânia foram os países que apresentaram a maior taxa de mortes, com números surpreendentemente baixos de animais encontrados no nordeste da República Democrática do Congo, no norte de Camarões e no sudoeste da Zâmbia.

O ambicioso Grande Census Elephant (GEC) durou três anos e foi financiado pelo filantropo e bilionário da Microsoft Paul Allen. Para localizar e contar o número de elefantes, foi usada uma frota de pequenos aviões.

O censo estima que há um total de 352,271 elefantes em Angola, Botsuana, Camarões, Chade, República Democrática do Congo (RDC), Etiópia, Quênia, Malawi, Mali, Moçambique, África do Sul, Tanzânia, Uganda, W-Arli- Pendjari (Níger, Burkina Faso e Benin), Zâmbia e Zimbábue. O Sudão do Sul e a República Centro-Africana serão examinados até o final de 2016.

Os elefantes africanos enfrentam uma crise gravíssima. Somente em 2014, cerca de 20 mil deles foram mortos por suas presas de marfim, o que é um ritmo mais acelerado do que a taxa de nascimento dos animais.

No início do século XX, as estimativas apontavam que havia 1 milhão de elefantes, mas milhares deles foram assassinados pelo marfim entre 1970 e 1990.

As populações se recuperaram em alguns países após a CITES proibir o comércio de marfim em 1989. Porém, desde o início dos anos 2000, a ascensão das classes médias no Extremo Oriente tem alimentado uma nova demanda por produtos de marfim.

A perda de habitat, conflitos com humanos, conflitos armados e de mineração também representam outras ameaças para os animais.

Segundo Mike Chase, um dos líderes do GEC e fundador da organização Elephants Without Borders, estabelecer uma visão clara dos números e da distribuição dos elefantes das savanas africanas irá ajudar nos esforços de conservação.

“Até este levantamento aéreo, não havia evidências sólidas sobre o estado de elefantes. Como as pessoas podem conservá-los quando não sabem quantos existem ou onde eles estão? Estamos armados de informação agora e temos estimativas sólidas que servirão como uma referência e também para despertar as pessoas da apatia”, afirmou.

De acordo com o The Guardian, o censo – realizado pela empresa de Allen, a Vulcan – é o primeiro levantamento aéreo em todo o continente de elefantes africanos feito com a coleta de dados padronizados e métodos de validação técnica. A pesquisa envolveu mais de 90 cientistas, seis ONGs e muitos voluntários e ambientalistas.

“Este projeto exigiu um esforço hercúleo por parte de muitos parceiros desde o seu lançamento em dezembro de 2013, com 81 aviões e 286 membros da tripulação que sobrevoaram cerca de 463 mil quilômetros”, declarou o diretor de conservação da Vulcan James Deutsch.

Os resultados do censo foram revelados  durante o Congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) no Havaí, nos Estados Unidos.

Mais de 80% dos dados do GEC serão incorporados ao relatório Status dos Elefantes Africanos da IUCN que será utilizado para moldar as grandes decisões políticas sobre o futuro da espécie.

A divulgação do censo ocorre a menos de um mês antes da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES), realizada em Joanesburgo, na África do Sul, que debaterá três propostas sobre o comércio internacional de marfim.

“O comércio de marfim é um problema internacional e necessita urgentemente da implementação global de medidas adequadas. Este relatório é muito oportuno, já que este será um grande tema da discussão da CITES no próximo mês. Precisamos que a comunidade internacional tenha um debate construtivo e aborde o que irá ajudar a combater a caça e o comércio de marfim, estabeleça legislações mais rígidas, medidas contra a corrupção, além de mais vigilância em pontos-chave de contrabando”, enfatizou Heather Sohl, da WWF do Reino Unido.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CRIME AMBIENTAL

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>