A desconstrução dos zoológicos

Bruna Araujo
August 29, 2016

Orangotango Sandra
Orangotango Sandra

Um dos zoológicos mais antigos do mundo, o de Buenos Aires, no bairro de Palermo, com 140 anos de existência, fechará suas portas por uma decisão política da Província de Buenos Aires, que é sua proprietária.

Os 1.500 animais que lá vivem serão poupados da visitação pública e do estresse constante de serem exibidos em pequenos recintos, sem propósito algum. Talvez a campanha intensa que se fez pela libertação de Sandra, uma orangotango fêmea, tenha acelerado esta decisão que já era discutida nos níveis políticos e judiciários.

Manter animais trancafiados para serem exibidos ao público como uma forma de entretenimento é totalmente anacrônico. Milhares de zoológicos no mundo tem mais de 5 milhões de animais submetidos a um cárcere absurdo para fins de lazer de humanos. Milhões desses animais têm morte prematura por não resistir ao cativeiro sem sentido.

Os que defendem a existência dos zoológicos no século XXI o fazem por mero interesse de que usufruem de vantagens, algumas ilícitas por manter aquelas prisões abertas e funcionando.

Muitos zoológicos em todos os continentes são também um centro de tráfico de animais, o que reforça ainda mais o combate a este delito. Conhecemos dezenas de histórias de animais enviados pelas autoridades ambientais aos Zoológicos, que foram capturados de traficantes e que voltaram às mãos de outros traficantes pelo mesmo caminho que vieram. O Zoonit de Niterói foi um dos exemplos mais cabais de como um Zoológico era sócio do tráfico de animais.

Nenhum cativeiro é bom. Os animais não nasceram para serem prisioneiros, eles estão aqui antes de nós e têm o direito de viver em liberdade em seu habitat natural. Nenhum cativeiro, por melhor que seja, se justifica de forma permanente.

O caminho que começa a trilhar o Zoológico de Palermo é um exemplo para ser seguido por muitos outros. Os animais que podem ser libertados o serão; aqueles que não puderem ao menos viverão livres do estresse da visitação. À medida que vão morrendo, seus recintos ou jaulas serão fechados para não serem mais ocupados por outras espécies. Em poucos anos, o Zoológico não existirá mais. Um exemplo a ser seguido por todos aqueles que em verdade defendem a vida silvestre.


Você viu?

Em busca de companhias,

Fonte: g1.globo.com Uma das

Pixabay Aproximadamente 50 ativistas

Grupo de guardas ambientais

Foto: Reprodução Youtube /

Reprodução/Instagram/@osindefesos Três cachorros tiveram

The Dodo Onyx e

Foto: Reprodução/GRAD A destruição

Foto: Pixabay A tradição

Notícias | Você é o repórter | Histórias felizes | De olho no planeta


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"cf6ff":{"name":"Main Color","parent":-1},"73c8d":{"name":"Dark Accent","parent":"cf6ff"}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default","value":{"colors":{"cf6ff":{"val":"rgb(243, 243, 243)","hsl":{"h":0,"s":0.01,"l":0.95}},"73c8d":{"val":"rgb(217, 216, 216)","hsl_parent_dependency":{"h":1,"l":0.85,"s":-0.05}}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
OK
>