Caso Jujuba

Após 6 meses, cachorra vítima de zoofilia aguarda adoção no Amapá

26
Divulgação

 

“Jujuba”, cachorra que teria sido abusada sexualmente por um homem de 71 anos, aguarda por adoção após ser resgatada, há 6 meses. Aos cuidados de voluntários, ela passou por cirurgias, está saudável e ganhou peso. O caso do animal ganhou repercussão após a Delegacia de Meio Ambiente (Dema) iniciar uma investigação com base em denúncias.

De acordo com o estudante Victor Fernandes, presidente da ONG Unidade de Proteção ao Animal Costelinha (UPAC) que resgatou o animal, “Jujuba” passou por quimioterapia, cirurgia plástica na vulva e procedimento de retirada do útero.

“Ela só tem dificuldade em fazer amizades, pelo que ela já sofreu. Mas é um cão muito carinhoso, dócil e fiel. Ela fez todas as cirurgias, reagiu muito bem. Agora está esperando pela adoção”, contou Fernandes.

“Jujuba” não toma mais remédios e está comendo bem, mas está com alguns traumas com objetos que podem machucá-la, como vassouras, por exemplo. O animal tem por volta de 4 anos está na fase adulta, e é considerada carinhosa.

O candidato a adoção, segundo Fernandes, precisa ter paciência, gostar de cuidar de animais e, se possível, que ainda não tenha animais em casa. Após a adoção, voluntários ainda farão visitas para ajudar na transição.

Uma pessoa que mora no Rio de Janeiro se interessou pela adoção, mas a ONG não pode fazer a entrega do animal por falta de recursos financeiros.

Divulgação
Divulgação

Zoofilia
“Jujuba” foi resgatada pela ONG no dia 12 de janeiro, mesma data em que o suspeito de zoofilia foi localizado pela Polícia Civil do Amapá, no bairro Parque dos Buritis, na Zona Norte de Macapá.

Ao ser resgatada, “Jujuba” apresentava sinais de agressão nas partes íntimas e foi levada para uma clínica veterinária. Dias depois, ela foi levada para a casa de Victor Fernandes, e há pouco menos de 2 meses está em um canil com outros animais.

A cachorra foi diagnosticada na época com doenças do carrapato, infecção por conta de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), laceração da vulva, distensão abdominal e uma forte anemia, segundo a ONG.

Uma campanha realizada na internet arrecadou cerca de R$ 5 mil, R$ 2 mil foram suficientes para os tratamentos veterinários da “Jujuba”. O restante do dinheiro doado foi investido em ajuda a outros animais resgatados pela ONG, segundo Victor Fernandes.

Vizinhos que denunciaram o suspeito contaram à polícia que o idoso teria feito sexo com a cachorra no quintal da casa onde mora. O idoso chegou a ser intimado a prestar depoimento e negou que tenha praticado o ato. O caso está sendo apurado pela Delegacia do Meio Ambiente (Dema).

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui