Ativistas lutam para salvar espécie de rinoceronte com apenas 3 sobreviventes


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/HuffingtonPost
Reprodução/HuffingtonPost

Ouvir Zachary Mutai falar sobre os três rinocerontes criticamente ameaçados de extinção que estão sob seus cuidados é como ouvir um pai coruja exaltar as virtudes de um filho.

“Eu sei que quando eles estão felizes ou nervosos. Estes rinocerontes são a minha paixão”, disse ele. Mutai é o responsável pelos rinocerontes brancos do norte do grupo Ol Pejeta Conservancy no Quênia, relata o Huffington Post.

Ele supervisiona um trio de animais: Sudan, um macho de 42 anos, e duas fêmeas, Najin e Fatu. Eles são os três últimos do mundo de suas subespécies.

Em um vídeo enviado pelo Great Big Story esta semana, Mutai e Stephen Ngulu, um veterinário de animais selvagens, discutiram os enormes esforços que têm sido empreendidos para manter Sudan, Najin e Fatu vivos e para salvar a espécie da extinção iminente.

Os três rinocerontes, que foram transferidos de um zoológico da República Checa para o Quênia em 2009, permanecem sob a vigilância de guardas armados de conservação por 24 horas.

Os caçadores foram em grande parte responsáveis por dizimar a espécie e eles continuam a ser uma ameaça.

Até agora, Sudan, Najin e Fatu tem sido incapazes de reproduzir. Por isso, os cientistas estão desenvolvendo a fertilização in vitro como um último esforço para salvar o rinoceronte branco do norte.

Embora essa seja uma solução desafiadora e controversa, acredita-se que é a única opção que resta para assegurar a preservação dos animais.
“Se não agirmos agora, o rinoceronte branco do norte irá se extinguir”, declarou Thomas Hildebrandt, do Instituto de Zoológicos e de Pesquisas da Vida Selvagem em Berlim, ao The Guardian em maio.

“Uma vez que desenvolvermos esse método para salvá-los, poderemos resgatar outras espécies ameaçadas”, adicionou.

Até então, a tarefa em questão continua tão complicada como o cenário enfrentado pelos rinocerontes.

“Ninguém obteve sucesso com a fertilização in vitro em qualquer espécie de rinocerontes. A técnica exige condições específicas para imitar o ambiente uterino e é preciso muito tempo e um enorme financiamento para aperfeiçoar a metodologia”, disse Susie Ellis da Fundação Internacional de Rinocerontes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>