Aquário anuncia que não irá mais capturar belugas e golfinhos


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/Shutterstock
Reprodução/Shutterstock

O Aquário de Geórgia anunciou não irá mais capturar baleias beluga selvagens e golfinhos da natureza para mantê-los em cativeiro em tanques. Isso será uma exceção para as “situações de resgate.”

A decisão do aquário ocorre após a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) ter negado ao estabelecimento uma licença para importação de 18 baleias beluga capturadas no mar de Okhotsk e mantidas na Estação Marinha de Utrish na Rússia, diz o The Dodo.

Inicialmente, as 18 belugas seriam dividias entre o Aquário da Geórgia e todos os três parques do SeaWorld até que o SeaWorld desistiu do negócio.

Em novembro, o aquário anunciou que não iria recorrer da decisão do juiz de proibir a importação. Agora o local se comprometeu, relutantemente, a nunca capturar cetáceos na natureza novamente.

“Acreditamos fortemente que estávamos agindo de maneira correta e legaliza e que a NOAA desrespeitou sua interpretação de longa data da Lei de Proteção dos Mamíferos Marinhos, que sublinha especificamente a importância de cuidar de animais em zoológicos e aquários, não só para o avanço científico, mas também para incentivar a conservação e a conscientização de milhões de pessoas que visitam esses locais”, disse o aquário em uma declaração.

“No entanto, acreditamos que a decisão da NOAA pode ser um precedente que será desafiador para todos os pedidos futuros para aquisição de populações que habitam o oceano”, completou a instalação.

“A população de belugas nos zoológicos norte-americanos credenciados está diminuindo. Mais de 23 milhões de clientes e mais de um milhão de alunos foram inspirados pelas belugas no aquário de Geórgia em seus 10 anos”, justifica o aquário para defender a importação.

Na realidade, as belugas são relativamente abundantes em todo o mundo, há pelo menos 150 mil animais e esse número é provavelmente maior.

Entretanto, em algumas regiões do Alasca, a população está sofrendo por causa de atividades humanas: caça, colheita e devastação do meio ambiente.

Não está claro o que o futuro reserva para as 18 belugas russas. O aquário de Geórgia se recusou a comentar o assunto.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

POLÍTICA PÚBLICA

RECOMEÇO

BANALIZAÇÃO

CAZAQUISTÃO

DESMATAMENTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>