Tribunal de Oregon reconhece que cães não são propriedades e condena agressora


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/OregonLive
Reprodução/OregonLive

O Supremo Tribunal de Oregon decidiu que uma tutora de um cão em Portland é culpada por ter deixado o animal faminto merece ser condenada, embora um veterinário tenha coletado o sangue do animal sem um mandado.

O tribunal enfatizou que os cães não são “meras” propriedades e não são necessários mandados de busca nessas situações, informa o portal Oregon Live.

O tribunal diferenciou animais de objetos, como, por exemplo, malas com drogas ou outros itens escondidos dentro, diferente de outros tempos em que se tratavam de propriedades.

A determinação reverte uma decisão feita pelo Tribunal de Apelações de Oregon em 2014 que promotores alegam ter dificultado o acesso de animais resgatados a cuidados veterinários imediatos.

Segundo os promotores, a decisão de 2014 do Tribunal de Apelações também colocou obstáculos para o prosseguimento de acusações criminais contra tutores acusados de deixar os cães famintos, espancá-los ou qualquer outra forma de prejudicar os animais.

De acordo com um resumo do tribunal, o caso em questão começou em 2010, quando a Humane Society de Oregon recebeu a denúncia de que Amanda Newcomb estava batendo em um cão, não o alimentava adequadamente e o mantinha em um canil durante várias horas por dia.

Em dezembro de 2010, um investigador de crueldade contra animais foi ao apartamento de Newcomb e viu o cão “Juno” no quintal sem “nenhuma gordura em seu corpo”.

Quando questionada, Newcomb disse que estava sem comida de cachorro, mas que iria providenciar mais naquela noite.

O cão foi levado para receber cuidados na Humane Society e um veterinário lhe alimentou e traçou um plano para que o animal pudesse ganhar peso dentro de alguns dias.

O veterinário também tirou sangue de Juno e descartou qualquer doença.

Newcomb foi condenada por negligência de segundo grau animal e argumentou que as autoridades violaram seus direitos constitucionais ao realizarem buscas em sua propriedade e retirarem sangue do cão. Sob a legislação de Oregon, os animais são definidos como “propriedades”.

Em um julgamento de 2011, o juiz Eric Bergstrom desautorizou a moção para suprimir as provas obtidas pela coleta de sangue e concordou com o promotor Adam Gibbs, que argumentou que a situação de um cão levado ao veterinário para receber tratamento é semelhante a uma vítima de abuso infantil levada em custódia para ser examinada e cuidada.

Gibbs também argumentou que um cão não é um recipiente, como um pedaço inanimado de uma propriedade, que exige um mandado. O Supremo Tribunal concordou.

Jacob Kamins, que é o promotor público de crueldade animal do estado, declarou que a decisão do tribunal é a terceira de uma série de determinações dos tribunais superiores para impulsionar os esforços de proteção dos animais nos últimos dois anos.

“Há uma sensação de que a questão do bem-estar animal está realmente firmando no mundo da justiça criminal”, afirmou Kamins.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR CANINO

FAKE NEWS

GANÂNCIA

SEQUESTRO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>