Taiwan

Veterinária comete suicídio após ser obrigada a induzir a morte de 700 cães

sadness
Divulgação

A veterinária Jian Zhicheng, que comandava um abrigo público de animais em Taiwan, cometeu suicídio após receber críticas na internet por ter submetido a morte de 700 cães em um período de dois anos.

De acordo com a imprensa local, Jian entrou em depressão após ser obrigada a matar os animais. No entanto, a situação piorou após ela aparecer em um programa de TV para falar sobre sua rotina de trabalho e anunciar o número de mortes feitas por ela.

Na ocasião, ela ainda citou a questão da capacidade do abrigo, explicou que era obrigada a submeter os cães a morte caso não fossem adotados em até 12 dias e fez um apelo para que as pessoas deixem de ir a lojas para comprar animais e passem a adotá-los, a fim de evitar situações como essa.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Depois disso, a veterinária passou a receber críticas e xingamentos como “açougueira” nas redes sociais, e decidiu injetar no próprio corpo as drogas utilizadas no procedimento. Ela morreu cinco dias depois, no último dia 12, segundo o Daily Mail.

Ela deixou uma carta de suicídio que, em um trecho, diz: “A vida humana não é diferente da vida de um cachorro; Eu irei morrer pelas mesmas drogas que uso para colocar cachorros para dormir em paz”.

O abrigo conta com capacidade para 500 cães e 100 gatos. De acordo com o jornal britânico, um funcionário do local informou que a lei permite submeter os animais a morte em caso de lotação. “Como é um abrigo de animais, não podemos recusar aqueles sem lar, mesmo quando há mais entrando do que saindo”, declarou ele. “[Portanto], a fim de manter o padrão de qualidade de vida de animais, isso é permitido”.

Fonte: Rede TV

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui