Cães participam de casamentos levando alianças até o altar


Bruna Triolo se casou em outubro e optou por usar seu cão como animal de honra (Foto: Arquivo pessoal)
Bruna Triolo se casou em outubro e optou por usar seu cão como animal de honra (Foto: Arquivo pessoal)

Maio é tradicionalmente conhecido como o mês das noivas. E a nova tendência nos casamentos é inserir os cães da família na cerimônia como “animais de honra” junto com ou substituindo os pajens e daminhas. “Espertos, eles encantam o público da cerimônia e conduzem o par de anéis vestindo roupas feitas especialmente para esta ocasião”, afirma Márcio Waldman, médico veterinário e fundador de um pet shop online.

“Para os apaixonados por animais, inclui-los nesta função com certeza dará um toque especial ao evento”, afirma o veterinário. A cake designer Bruna Triolo, que se casou em outubro do ano passado, optou por usar seu cão como animal de honra. “Ele foi a sensação da cerimônia”, lembra.

Bruna conta que sempre considerou seu cão, o bulldog francês Aquiles, como um membro da família. Ela afirma que, quando foi pedida em casamento, logo pensou que o animal deveria participar do grande dia de alguma forma. “Afinal, os pais dele iam se casar”, brinca. “Porém, ele é muito empolgado, fica descontrolado quando as pessoas chamam sua atenção ou brincam com ele, já quer pular em cima, lamber…então, todo mundo foi contra essa ideia por acharem que ele não ia conseguir se comportar. Aí, eu desisti”, explica.

Mas o destino parecia querer que Aquiles participasse da cerimônia. “Convidamos um priminho para ser o nosso pajem, que bem próximo do casamento acabou desistindo de ir. Aí, para mim aquilo era um sinal pra eu colocar o Aquiles novamente na jogada”, lembra Bruna.

Adestramento

A cake designer explica que, como Aquiles era muito agitado, foi adestrado um mês antes da cerimônia para não ter problemas. Além disso, ele entrou com uma prima dela. “Foi tudo bem tranquilo, ele entrou todo bonitinho. Quando fomos pegar as alianças, ele lambeu nosso rosto. Todos os convidados se emocionaram muito”, comenta.

Márcio explica que o ideal é fazer o que Bruna fez: contratar um adestrador para ensinar o animal a conduzir as alianças de forma calma e controlada. Mas existem alternativas. “Se o cachorro não for adestrado, o ideal seria que os noivos o treinassem bastante. Alguém pode entrar com uma coleira guiando o cachorro até o altar. Também é possível colocar pessoas queridas e próximas na direção do animal, assim ele se sentirá mais confortável para seguir até o altar”.

Cuidados durante a festa

O veterinário ressalta a importância de reservar um espaço para o animal permanecer durante a festa. “Cães possuem uma audição sensível e a pista pode não ser o melhor lugar para eles”, explica. Outra opção é fazer como Bruna: pedir para que alguém leve o animal embora depois da cerimônia. “Levar alguns itens para higienização também é importante, pois o animal pode fazer suas necessidades em locais inapropriados”, destaca o veterinário.

A alimentação é outro ponto a ser considerado, conforme explica Márcio. “Não se esqueça da ração ou o animal pode se sentir ainda mais seduzido pelas comidas da festa, que em geral são bem temperadas, o que pode não cair tão bem no estômago do cachorro”.

“E, por último, mas não menos importante, o registro. Abuse das fotos e só modere no uso do flash para não agitá-los”, finaliza o veterinário.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSCIENTIZAÇÃO

SOLIDARIEDADE

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>