Veterinários denunciam santuário que é um pesadelo para bichos-preguiça


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/CamilaDunnereGabrielPastor
Reprodução/CamilaDunnereGabrielPastor

Um famoso santuário é, na verdade, um pesadelo para os animais, alegam dois ex-funcionários do local.

O Santuário de Bichos-preguiça da Costa Rica é um centro de resgate internacionalmente reconhecido que diz salvar e reabilitar bichos-preguiça perdidos ou feridos, relata o The Dodo.

O santuário é um destino turístico popular e foi destaque na série “Conheça as preguiças”, feita pelo Animal Planet em 2013.

Porém, agora, dois veterinários que recentemente deixaram o local afirmam que há vários animais doentes e feridos nos bastidores.

Em maio de 2015, a veterinária Camila Dunner foi contratada pelo santuário e logo percebeu que havia cerca de 200 bichos-preguiça amontoados e feridos em gaiolas apertadas fora da área normalmente vista pelo público.

A maioria dos animais nunca foi solta na natureza e alguns foram sequestrados para serem mantidos em cativeiro.

Muitos estavam doentes, feridos ou em condições precárias de habitação, além de receberem uma alimentação inadequada e falta de cuidados veterinários, segundo Dunner e seu marido Gabriel Pastor, que também foi contratado pelo local.

Dunner e Pastor dirigiram as suas preocupações aos proprietários. “Eles disseram que queriam uma mudança e que buscavam alguém com conhecimento. Vimos uma oportunidade ali”, disse Dunner.

Porém, os proprietários não acataram as sugestões dos profissionais. De acordo com o casal, rapidamente se tornou claro que o Santuário não tinha nenhuma intenção de libertar os animais na natureza.

“Ela continuou fazendo do Santuário um negócio”, disse Dunner em referência à fundadora do estabelecimento Judy Avey-Arroyo.
Desde sua fundação, o santuário manteve 725 bichos-preguiças mas libertou apenas 41 animais reabilitados, menos de dois por ano, segundo dados fornecidos por Dunner.

Reprodução

Um dos grandes problemas é que o número de animais cresce a uma taxa anual de 13%. Não há um controle sobre a reprodução, pois machos e fêmeas são mantidos nas mesmas jaulas e a gravidez deixa as fêmeas ainda mais estressadas.

Reprodução/CamilaDunnereGabrielPastor
Reprodução/CamilaDunnereGabrielPastor

Os filhotes nascidos no santuário também têm um caminho difícil pela frente. Eles são frequentemente mantidos ao lado de bichos-preguiça jovens e suas necessidades são diferentes. Enquanto os filhotes precisam se alimentar a cada duas horas, eles são alimentados apenas quatro vezes ao dia, juntamente com os animais maiores.

Famintos, os filhotes procuram mamar em qualquer lugar em que conseguem se segurar e muitos deles desenvolvem deformidades na mandíbula, afetando também o crescimento de seus dentes.

Alimentação

Dunner e Pastor afirmam também que o santuário fornece uma dieta inadequada para os animais que são alimentados com legumes cozidos e crus, em vez da dieta à base de folhas que eles comeriam na natureza.

Como resultado, muitos desenvolvem síndrome de má absorção, o que leva à desnutrição e, em casos graves, morte súbita, explicam eles.

A dieta inapropriada também danifica seus sistemas digestivos. Dunner e Pastor trataram muitos animais que apresentaram constipação grave ou incapacidade de urinar, o que leva dolorosos sofrimentos devido aos estômagos distendidos. “Este foi um dos problemas mais comuns tratados por nós”, diz Dunner.

A dieta também provoca cortes nas bocas dos animais, cortando seu suprimento de ar. Dunner declarou que, em alguns casos, foram feitas traqueostomias de emergência nos bichos-preguiça.

Feridas

Reprodução/CamilaDunnereGabrielPastor
Reprodução/CamilaDunnereGabrielPastor

Trancafiados durante o resto de suas vidas em gaiolas minúsculas, os animais não têm acesso às áreas externas e, assim, oportunidade de escalar.

O resultado é que suas unhas, às vezes, crescem tanto que fazem uma curva, perfurando a pele dos animais.

“Gastamos muito tempo para cuidar desses ferimentos auto infligidos. As unhas cresciam demais e perfuravam a palma dos animais.”, explicou Dunner.

O casal também tratou ferimentos de luta, infecções, abscessos, entre outros.

Esta não é a primeira vez que o santuário é acusado de abuso com os animais . Em 2012, uma mulher que alegou ser uma ex-voluntária acusou o santuário de negligência em post feito em um blog pessoal que posteriormente foi excluído.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>