Por tratamento caro, Bolinha deve ser colocado para adoção em Cuiabá (MT)


Cão Bolinha, antes e depois (dezembro de 2015) (Foto: Nill Vianna/Arquivo pessoal/Nathalia Lorentz/G1)
Cão Bolinha, antes e depois (dezembro de 2015) (Foto: Nill Vianna/Arquivo pessoal/Nathalia Lorentz/G1)

O cachorro Bolinha, resgatado de uma lanchonete de um posto de combustíveis em Mato Grosso em setembro de 2014, deve ser colocado para adoção nos próximos meses. No ano passado, o cão deixou a clínica em Cuiabá na qual fez tratamento contra a obesidade após ter perdido 16 kg e foi para a casa de Michelle Scopel, da ONG OPA-MT. Entretanto, passou dos 20 kg para 27 kg. O ganho de peso fez com que o animal fosse levado para uma escola de adestramento.

“Se tudo der certo, e a pessoa tiver condições, ele vai ser colocado para adoção. Ele vai ter que fazer tratamento pelo resto da vida, porque se descuidar ele come mesmo. E tem que ser uma casa que não tenha outros animais, porque ele vai comer a comida dos outros”, disse Michelle.

A decisão por colocar o animal para ser adotado tem também motivação financeira. A OPA-MT, disse Michelle, não tem condições de manter Bolinha na escola de adestramento, que custa R$ 500 mensais. E levá-lo de volta para a casa dela traria o risco do cão engordar novamente.

Na escola de adestramento, Bolinha convive com outros cães, mas tem uma vida ativa: faz caminhadas, trilhas, e brinca com os animais. Michelle disse não saber o peso atual dele, mas acredita que Bolinha tenha perdido um pouco de peso desde que foi levado para lá.

A pessoa que adotar o animal terá que manter a alimentação regrada e também uma rotina de exercícios. Na clínica particular na qual perdeu 16 kg, Bolinha caminhava na esteira aquática e comia menos de 200 gramas de ração especial para cães obesos por dia.

História

Bolinha era o ‘mascote’ de uma lanchonete de um posto de combustíveis localizado na BR-364, entre as cidades de Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis, a 242 km e 397 km da capital, respectivamente. Ele foi abandonado no local ainda filhote, há aproximadamente de 14 anos, e começou a engordar após comer restos de comida deixados pelos consumidores quanto pelos donos do local.

O cão vivia entre entulhos e lixo, e bebia água suja. O animal foi resgatado depois que a situação foi relatada pelo internauta Nill Vianna, por meio do VC no G1. Após publicação de matéria contando o caso, Bolinha foi resgatado e começou tratamento com acompanhamento de médicos veterinários. Na época, ele pesava 36,5 kg.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

INSPIRAÇÃO

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RETROCESSO

RESPONSABILIDADE

SOLIDARIEDADE

MISSÃO

ACADEMIA ESPECISTA

SADISMO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>