Sensibilização com crueldade animal pode ser o caminho para uma mudança de vida


Divulgação
Divulgação

É cada vez mais comum que entidades de defesa animal divulguem vídeos com cenas de atrocidades em fazendas, granjas e matadouros, incluindo o clássico documentário Terráqueos.

Se uma pessoa assistir a um ou mais deles e se sensibilizar, está pronta para dar o próximo passo na evolução de sua consciência pelos animais não humanos: conhecer os Direitos Animais e o veganismo.

São esses direitos que irão impedir que essas cenas chocantes se perpetuem e que os animais sejam tratados como propriedades dos humanos. Dessa forma, há o reconhecimento dos direitos à vida e à liberdade de outras espécies.

Isso gera um impacto na pecuária e a pesca, que dependem da “coisificação” dos animais. Sem ela, essas atividades deixarão de existir.

Frequentemente, a pecuária e a pesca utilizam violência extrema para atingir seus objetivos: produção de matéria-prima de origem animal, como carne, leite, ovos, couro, lã, sebo e glicerina.

Outros procedimentos muito comuns são as mutilações (de chifres, cauda, dentes, bico, asas e testículos), a desmama (separação forçada de filhotes de suas mães), o confinamento em espaços minúsculos, o tratamento como máquinas, espancamentos, torturas com choque elétrico. Mesmo em estabelecimentos que aderiram ao “bem-estarismo”, a violência continua, pois os animais ainda são assassinados, torturados e as fêmeas são exploradas pela indústria do leite e dos ovos.

A exposição dessa brutalidade contra os animais na televisão, na internet ou em outro canal, mostra que é o momento de romper com esse padrão de violência, crueldade e coisificação de vidas sencientes. Esse rompimento inclui necessariamente abandonar tudo aquilo que se origina desse processo, incluindo produtos com selos de “bem-estar animal”, o conhecimento do veganismo e o início de uma transição para um consumo livre de exploração animal.

Fonte: Veganagente


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

INSPIRAÇÃO

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RETROCESSO

RESPONSABILIDADE

SOLIDARIEDADE

MISSÃO

ACADEMIA ESPECISTA

SADISMO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>