Bebê de chimpanzé é resgatada após sua mãe ter sido morta por caçadores‏


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Uma bebê de chimpanzé foi libertada de uma gaiola apertada após ter sido capturada por caçadores cruéis que mataram a sua mãe.

A filhote traumatizada, que recebeu o nome “Deo”, foi encontrada com cortes na cabeça. Ela estava presa em uma vila na República do Congo.

A jovem órfã estava muito fraca e mal conseguia andar quando os resgatadores cortaram a pequena gaiola de madeira para libertá-la.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Um homem foi preso e condenado a dezessete anos de prisão pelo crime, e o animal está sendo cuidado por especialistas em vida selvagem, para que recupere a saúde.

Resgatadores do Centro de Reabilitação de Primatas de Lwiro (“Lwiro Primates”) levaram-na ao seu santuário, que é especializado em prover tratamento a primatas órfãos.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Eles foram hábeis em libertar Deo com gentileza e começar o processo de fornecer o cuidado necessário à sua reabilitação.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Segundo reportagem do Daily Mail, os caçadores mataram a mãe para roubar o seu bebê. Esse é um crime comum, uma vez que filhotes de chimpanzés costumam ficar unidos às suas mães o tempo todo. Frequentemente, outros membros das famílias também são mortos; os caçadores comem a carne dos adultos, e então tentam vender os filhotes.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

“Infelizmente, a história de Deo retrata a realidade de muitos órfãos na África. Há um forte comércio de animais considerados exóticos na China e no Oriente Médio – é possível comprá-los até pela Internet”, disse um porta-voz do santuário.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Graças à comunidade, esse caso foi denunciado ao departamento de Serviços Ambientais e a tutela de Deo foi delegada à organização WCS (Wildlife Conservation Society), que é a única ONG a atuar na área. Eles contataram o santuário imediatamente, para providenciar o transporte.

“Ela chegou em um carro, após ter sido levada por 500 km em rodovias de más condições, na pequena gaiola que aparece nas fotos”.

Deo agora é capaz de brincar com outros bebês, como Pinga, Aisha, Kimia Bili e Garamba – todos vítimas da caça.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Conforme informado pelo santuário, Deo está progredindo atualmente, porém ela levou um longo tempo para se recuperar fisicamente, e ela ainda precisará de mais tempo para a sua recuperação psicológica.

Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock
Foto: CRPL/REX-Shutterstock

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RIO DE JANEIRO

MAUS-TRATOS

EMPREENDEDORISMO

AÇÃO HUMANA

CONSCIENTIZAÇÃO

ABUSO

ÓRFÃO

COREIA DO SUL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>