POLÍTICA ANIMAL - GABRIEL BITENCOURT

Onde está a dúvida?

Há algumas semanas, uma matéria estampada na primeira página do Jornal Cruzeiro do Sul de Sorocaba me chamou a atenção. A manchete da reportagem em questão era: “Destino de filhote...

530

08/03/2016 às 19:40
Por Redação

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

caso do veadinho

Há algumas semanas, uma matéria estampada na primeira página do Jornal Cruzeiro do Sul de Sorocaba me chamou a atenção.

A manchete da reportagem em questão era: “Destino de filhote de veado apreendido em São Roque é incerto”.

Claro que a fotografia do filhotinho sendo amamentado com uma mamadeira já chamava a atenção, enternecia. A história do “destino incerto “, entretanto, é que me atraiu mais a atenção.

Já tive, sob minha guarda provisória, vários animais silvestres que me chegaram de diversas formas: um filhote de tucano, uma corujinha-do-mato, um Periquitão-maracanã, um ouriço-cacheiro, entre outros.

Todos eles foram devidamente reintroduzidos à natureza, mesmo com minha enorme vontade de ter como companhia aquela corujinha simpática ou a pequena e doce fêmea de Ouriço-cacheiro.

Todos foram encaminhados a um Centro de Recuperação de Animais Silvestres.
Mas, voltando à matéria do “Cruzeiro do Sul”, a dúvida reportada na matéria era se ele seria destinado a um zoológico – e, portanto, ter decretada sua prisão em um cativeiro para o resto da vida – ou se seria encaminhado a um CETAS – Centro de
Triagem de Animais Silvestre – para ser reintroduzido ao seu ambiente natural

Minha pergunta é: QUAL É DÚVIDA?

P.S. Depois de escrito este texto, soube que o animalzinho foi enviado ao zoológico da cidade.
A pergunta, agora, é: por que?

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.