ONG denuncia que cão foi queimado com água quente em Rio Largo (AL)


leo_hoje_2
Divulgação

Uma ONG denunciou junto à Comissão de Bem Estar Animal da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas (OAB-AL), que um cachorro foi queimado com água quente no município de Rio Largo, região Metropolitana de Maceió. A denúncia foi protocolada na última segunda (29).

O cachorro, de nome “Leo”, foi socorrido pela ONG Resgatei após denúncias de moradores da cidade. A representante da instituição, Flávia Lemos, contou à reportagem que trouxe o animal para Maceió, onde ele foi internado em estado crítico com o corpo 60% queimado. As agressões aconteceram há duas semanas.

“Quando resgatamos o Leo, ele estava perambulando ferido pelas ruas de Rio Largo há mais ou menos uma semana, não sei como ele não morreu. Os primeiros procedimentos médicos foram realizados, como a retirada do tecido morto que estava grudado à pele, além dos medicamentos e curativos que estamos dando à ele, mas ele ainda sente muita dor”, conta Flávia Lemos, que também é a proprietária do pet shop onde o cachorro está sendo atendido.

Ainda de acordo com a representante da ONG, a denúncia foi feita à OAB para que o suspeito seja responsabilizado. Ela conta que moradores apontaram um suspeito, morador de Rio Largo, como sendo o autor das agressões. A informação sobre a identidade dele também foi repassada à Ordem.

A responsável pela Comissão de Bem Estar Animal da OAB-AL, Rosana Jambo, confirmou o recebimento da denúncia. Ela afirma que o suspeito já foi identificado, e que deve prestar queixa para abertura de um inquérito policial.

“Analisamos o caso e, nesta quarta-feira (2), a OAB vai entrar com uma representação contra o suspeito, notificando ele a responder pelo ato, para que ele arque com os custos de todos os procedimentos médicos. Faremos o BO [Boletim de Ocorrência] e entregaremos o caso à polícia”, diz Rosana.

Se condenado, o suspeito responderá por crime contra a Fauna e a Flora, especificamente por maus-tratos a animal doméstico, como está previsto no Art. 32 da Lei n° 9.605  do ano de 1998. A pena varia de 3 meses a 1 ano, podendo ser em regime aberto, além de multas e prestação de serviços à comunidade.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MÉXICO

CRUELDADE

AMOR

EMPATIA

AMOR

CRUELDADE

CHINA

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>