Faisões são criados para serem mortos a tiros na Grã Bretanha


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Daily Mail UK
Foto: Daily Mail UK

Entusiastas do tiro que participam da temporada de caça a aves na Grã Bretanha gostam de se justificar afirmando que matam os animais para depois se alimentarem deles. Como se não bastasse o caráter desnecessário e cruel da ação, uma “pilha” de corpos de faisões deixados para apodrecer e que foi encontrada recentemente em um campo desmente a afirmação e denuncia o caráter sórdido do ato.

Um tiroteio ocorrido em uma propriedade foi classificado por ativistas como uma “prática de tiro ao alvo com criaturas vivas”, após 30 pássaros terem sido encontrados jogados no campo do complexo turístico Maesmawr Hall, em Mid Wales. As aves foram mortas cruelmente e seus corpos foram abandonados no local. As informações são do Daily Mail.

Ed Shephard, da organização League Against Cruel Sports (Liga Contra Esportes Cruéis), tirou fotos pela Grã Bretanha durante a estação de tiros que terminou no dia 1 de Fevereiro, e disse que achava improvável que alguém voltasse para recolher os corpos dos animais.

“Conforme um grupo de atiradores foi embora, os nossos investigadores encontraram esses pássaros jogados do lado da rodovia pouco antes de escurecer”, disse ele. “O que essas pessoas tiveram a permissão de fazer com esses faisões seria ilegal com qualquer outro animal. Alguém recebeu dinheiro por isso, e esta é uma indústria que visa somente o lucro”.

Eduardo Gonçalves, presidente da ONG, disse que os turistas pensam na região como um lugar calmo, onde se pode passear e ver pássaros sobrevoando, e de repente se é surpreendido com uma salva de tiros e animais mortos. “Isso nada mais é que prática de tiro ao alvo com seres vivos”.

“As pessoas estão começando a entender o que a ‘caça enlatada’ significa para a África – onde os leões são criados simplesmente para serem soltos em uma área fechada e serem mortos. Os tiros às aves são o nosso sistema de caça enlatada. É igualmente sem sentido e repugnante”, acrescentou ele.

Foto: Daily Mail UK
Foto: Daily Mail UK

A prática tem se tornado popular recentemente graças a chefs que apresentam programas de gastronomia na TV, como Hugh Fearnley-Whittingstall e Jamie Oliver, e que incentivam as pessoas a matarem aves para depois se alimentarem delas. Os ativistas contam que 100 mil aves são mortas a tiros por dia durante a temporada.

De acordo com um código da Countryside Alliance, cada “arma” que participa de uma estação de tiros tem direito a levar duas aves, e as demais que forem mortas devem ser vendidas para o estado. Liam Stokes, chefe da Alliance, disse que, no ano de 2014, 97 por cento de todos os pássaros mortos na temporada foi destinado à “cadeia alimentar humana”.

Ele acrescentou: “Quaisquer incidências de corpos de aves encontrados jogados merecem a condenação”, expressando que os animais podem ser mortos, porém seus corpos devem ser comidos.

O complexo Maesmawr Hall é de propriedade do grupo Bettws Hall, que cria sete milhões de faisões por ano somente para serem mortos a tiros. A equipe do Daily Mail procurou pelos responsáveis, mas ninguém foi localizado para comentar o assunto.

Nota da Redação: A prática citada na matéria é totalmente condenável. Se não é ético e necessário se alimentar de animais, o fato de alguém se mobilizar para matá-los pelo simples “prazer” de matar e depois consumir os seus corpos é algo que não se pode compreender nem aceitar.

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSCIENTIZAÇÃO

SOLIDARIEDADE

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>