Redação ANDA – Agência de Direitos Animais

Matadouro em Vigan, na França. Foto:  L214.
Matadouro em Vigan, na França. Foto: L214.

Ovelhas amedrontadas sendo jogadas pelo ar contra barreiras de metal, vacas com gargantas cortadas lutando enquanto estão penduradas pelas pernas em desespero e porcos convulsionando violentamente depois de choques elétricos.

Estas foram as cenas publicadas nesta terça-feira(23) pelo grupo de direitos animais L214. As imagens chocantes foram filmadas em um matadouro supostamente “humanitário” em Vigan, no departamento Gard, no sul da França. As informações são do The Local.

O matadouro é certificado como “orgânico” (certifié bio, em francês) – o que significa que os padrões de tratamento em relação aos animais é supostamente superior. Eles são muitas vezes referidos como “matadouros humanitários”.

No entanto, a ativista Johanne Mielcarek ressaltou ao The Local que, na realidade, isso não significa que os animais são tratados de forma melhor. “É absolutamente escandaloso e extremamente chocante”, contou ela.

Veterinários contactados pelo grupo concordaram que o vídeo mostra “graves abusos” dos animais.

Cenas mostram funcionários do matadouro esmurrando e batendo em ovelhas, um deles ri quando outro administra um pequeno choque elétrico em uma ovelha, só para ver sua reação. “A violência e o sadismo são frequentes”, diz o narrador do vídeo.

Outros trechos mostram animais pendurados por uma perna lutando em agonia. O vídeo pode ser visto abaixo e contém imagens extremamente gráficas.

Para Mielcarek da L214, não é surpreendente que o matadouro “orgânico” não seja “humano” com os animais, pois o conceito se resume a uma formulação vaga pelas autoridades.

“Quando você olha para os regulamentos europeus, não há muita informação sobre o ato de “abate” e como ele deve ser realizado. É mais sobre como os animais não devem ser “maltratados”, explica ela.

O grupo pediu uma reação imediata do governo francês, bem como uma “investigação completa de todas as práticas dos matadouros na França”.

A outra principal mudança, segundo Mielcarek, pode ser feita pelo público. “Queremos que as pessoas estejam conscientes, que pensem sobre sua própria responsabilidade e, claro, considerem parar de comer carne.”

“Estes animais são seres sencientes, assim como os cães e os gatos”, afirma.

O chefe do matadouro em Vigan, Laurent Kauffman, disse à BFM TV que estava “particularmente chocado” ao ver essas imagens.

“Estes são atos inaceitáveis, eles são escandalosos”, disse ele ao canal. “Eu não estou sempre no local, mas eu nunca tinha visto isto e eu estou desapontado.”

O matadouro foi fechado “provisoriamente” na terça-feira.

O grupo de direitos animais publicou um vídeo semelhante em outubro de um matadouro em Alès, também no departamento Gard no sul da França. O vídeo foi filmado em um matadouro típico (não um “orgânico”), e mostrou cenas semelhantes a esta última filmagem.

O matadouro de Alès foi fechado logo após o vídeo ter sido divulgado.

*É permitida a reprodução total ou parcial desta matéria desde que citada a fonte ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais com o link. Assim você valoriza o trabalho da equipe ANDA formada por jornalistas e profissionais de diversas áreas engajados na causa animal e contribui para um mundo melhor e mais justo.

1 COMENTÁRIO

  1. Eu tenho dificuldade para entender o significado que se quer dar à expressão “humanitário”. Esse termo provém da palavra homem, e toda as barbaridades e crueldades que se praticam nesse mundo contra os animais partem dos homens.
    Então, a meu ver, esse matadouro, como todos os outros do mundo, é humanitário. Ou eu estou errado?