Vida Nova

Em passagem pelo Brasil, casal belga adota dois cães em abrigo de Caxias do Sul (RS)

Por Bruna Nogueira – Redação ANDA

66871_10207459897908950_2594484939941242833_n
Divulgação

A Soama é uma ONG que abriga 1600 animais, e ficou conhecida no Brasil e no mundo como a “Favela de Cães” ou “Cãodomínio”. A ONG fica em Caxias do Sul, a segunda maior cidade do Rio Grande do Sul. Ao longo de 17 anos, a ONG acumulou muitas histórias, e recentemente, a mais emocionante foi de um casal belga que estava viajando pela América do Sul, e não só visitaram, como prestaram serviços voluntários para a ONG.

O caso aconteceu no dia 22 de março de 2015. A ONG recebeu um e-mail de uma moça belga que se chamava Jenny. No e-mail, Jenny contava que ela e o marido viajavam pela América do Sul e queriam muito visitar o abrigo. Ela também contou que ela e o marido eram amantes de animais e procuravam trabalho voluntário na ONG. Eles haviam descoberto a Soama através de uma pesquisa na internet e se apaixonaram pela causa.

O casal já tinha experiência com cães e gatos, pois já faziam trabalho voluntário na Bélgica. E que eram contra a comercialização de animais e totalmente a favor da adoção. E apesar de não falarem português, estavam ansiosos para aprender e conhecer o trabalho do abrigo.

Após a inesperada notícia, os membros do abrigo acharam que era improvável que a visita fosse dar certo. Já que o casal teria de ser alojado em uma casa, fora a locomoção da cidade até a chácara onde os animais são abrigados. E ainda teria a dificuldade de comunicação, já que os funcionários não falavam línguas estrangeiras. Mas com força de vontade, as coisas foram se ajeitando e durante as duas semanas em que casal ficou na cidade, foram hospedados na casa de uma família caxiense. E todos os dias, recebiam carona do veterinário do abrigo. Os funcionários também encontraram uma forma de se comunicarem, e a convivência se tornou harmoniosa.

IMG_2236
Divulgação

Jenny e seu marido foram o exemplo que muitas pessoas que moram em Caxias, não se dão. Vieram de um país cuja cultura é totalmente diferente e trabalharam no abrigo com dedicação. Recolhiam as fezes dos animais, davam carinho e auxiliavam nas tarefas que exigiam mais esforço, sob chuva, sol, calor e frio. Sempre com alegria, boa vontade e simplicidade.

Mas o casal, além de ter dedicado seu tempo e solidariedade para com o abrigo, acabou se apegando em um casal de cães. Os cachorros são mix de pit bull, porte grande e viviam na chácara. O casal belga então, decidiu adotá-los e leva-los para a Bélgica. O episódio de receber um casal de outro país para serem voluntários na Soama era tão improvável, quanto mais eles se interessarem por cães do próprio abrigo e leva-los adotados. Mas o carinho que Jenny e seu marido tinham pelos animais, foi o que bastou para a relação entre eles e a ONG, dar certo.

O final desta história não poderia ser mais emocionante e inspiradora. Fica o desabafo do casal Jenny Wincke e Gert Likens:

“Em abril 2015 meu marido e eu estávamos viajando pelos países da Central e América do Sul. Inspirados por outras pessoas, pensamos em nos engajar em fazer trabalho voluntário por onde passássemos, de preferência com animais. Depois de algumas pesquisas eu esbarrei em um abrigo de animais para cães e gatos abandonados na região Sul do Brasil. Ficamos imediatamente encantados para compartilhar alguns de nossos afagos com 1600 cães e gatos que vivem na Soama de Caxias do Sul.

Depois de alguns acordos com Natasha, uma das voluntárias da entidade, partimos rumo para Caxias do Sul. Encontramos um maravilhoso anfitrião que compartilhou sua casa com a gente durante as duas semanas que ficamos na cidade. Este período foi uma experiência sem palavras, mas não é isso que eu gostaria de compartilhar.

Hoje eu quero explicar que o nosso trabalho voluntário não parou por aí. Meu marido e eu decidimos adotar dois cães do abrigo e levá-los com a gente para a Bélgica. Esta decisão foi uma das mais loucas que a gente já tomou. A papelada para entrar Europa era difícil e tudo foi muito devagar. No entanto, foi a coisa mais gratificante que já fizemos.

Feliz com nossa decisão o meu marido e eu viajamos por alguns dias para nos encontrarmos com amigos em outro Estado. Enquanto isto, a papelada para entrar com os dois cães na Bélgica estava sendo organizada e pudemos contar com a ajuda do veterinário da Soama que encaminhou muita coisa para nós. Fizeram as vacinas necessárias, incluindo a da raiva, exames de sangue e uma operação no olho de um deles e assim estavam prontos para viajar conosco. Como tínhamos de esperar três meses para ir para a Bélgica com os cães, decidimos viajar com nossos cães pelo Brasil. O tempo no país começou a ficar mais frio e por isso resolvemos rumar para a Guatemala! A papelada para sair do Brasil e entrar na Guatemala com os cães demorou 3 semanas inteiras para ficarem prontas. Foi imensamente estressante este período de espera, mas felizmente demos longas caminhadas com os cães e assim podemos nos conhecermos cada vez mais! Foi bom observar que eles se adaptavam rapidamente e com felicidade ao novo estilo de vida!

12313814_909749062456528_7112867829593621558_n
Divulgação

Libertar um cão de um abrigo estressante é tão maravilhoso para ti quanto para eles. Esse sentimento de liberdade quando eles sentem o cheiro da grama, seus sorrisos quando você fala doce com eles ou sua tranquilidade quando eles podem dormir em um travesseiro macio. Todos os dias eles nos mostraram novas características e nos conhecíamos mais e mais. Logo sabíamos seus petiscos favoritos, reconhecíamos seus sons… Eles não se importavam em viajar toda a semana para um novo lugar. A felicidade pode ser encontrada em pequenas coisas e eles foram felizes o tempo todo.

Durante quatro meses viajamos juntos pela Guatemala, Belize e México. Nós rapidamente percebemos que viajar com cães era muito mais difícil do que viajar sozinho. Pouquíssimos hotéis aceitam cães e restaurantes nem sempre permitem sua presença e os cães abandonados estavam por tudo. Na maioria das vezes éramos os únicos que tinham os nossos cães em uma guia. Uma vez em Belize passamos por mais de quinze hotéis e todos eles nos recusaram um quarto por causa dos cães. No entanto, em nenhum momento nos arrependemos de nossa decisão de ter eles conosco. Eles ainda se tornaram parte da família e nossa conexão fica mais forte a cada dia.

Chegamos bem na Bélgica já há quase um mês e eles adoram aqui. Embora eles tenham desfrutado o calor do sol mexicano e do calor das praias de Belize, eles amam a temperatura mais fria da Bélgica. Seus casacos de pelos brilham como uma bola de Natal e eles têm cobertores e brinquedos suficientes para construir um castelo. Quando eu observo eles dormindo no sofá, em paz e felizes, eu me a pessoa mais sortuda do mundo. Estes dois cães vieram lá do longínquo Brasil, passaram pela América Central para estarem conosco aqui na Bélgica. Parece absurdo e é tão verdadeiro.

Minha família nos aguardava no aeroporto no dia da chegada. Wasabi e Pepper não sabiam para onde ir primeiro, eram muitas mãos os afagando e muitos biscoitos eles ganhavam de todos. Eles se comportaram maravilhosamente bem, com doçura, como se conhecem todos desde sempre. Eu adoraria poder inspirar todo mundo a adotar um cão de um abrigo ao invés de comprar um. Há muitos cães nos abrigos à espera apenas de uma segunda chance. Não julgue que eles são todos perigosos, velhos ou feios. Se você se permitir visitar um abrigo irá na hora mudar de ideia, perceberá que aquelas bolas de pelo são os cães mais genuínos e amorosos. Eles têm um passado que você não conhece, cicatrizes que os definem, mas eles estão à procura de um futuro brilhante. Por que você não pode dar isto para um deles? Nós estamos realmente pensando em adotar mais cães e dar para eles uma vida maravilhosa no curto espaço de tempo eles estão em nossas vidas. Porque isso é tudo um cão tem e tudo o que ele precisa. No final, quem salva quem?

Obrigado Soama pelo acolhimento caloroso e amor! Pela sua dedicação e espírito! Nós realmente esperamos que nossa história possa inspirar os teimosos brasileiros para que acreditem na adoção. Levantar a bandeira do #euadotonãocompro. Para escolher um animal de estimação pelo seu companheirismo e amor e não por sua beleza exterior.

Nossa família ama os cães, especialmente minha avó que ficava meio solitária durante o dia e eles fazem companhia para ela!

Eles mudaram tudo para nós, olhando para trás, mesmo com todas as dificuldades, tudo valeu a pena! Eles são parte da família e vamos mimas estes dois pelo resto de suas vidas e esperamos poder economizar algum dinheiro para poder adotar e ajudar mais animais que esperam por sua família.”

Todos os anos milhões de cães e gatos são abandonados, morrem nas ruas e esperando nos abrigos. Têm morte induzida nos Centros de Zoonoses do país. Vamos rever nossos conceitos: Cuide até o final, adote, não compre, castre e ajude!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Divulgação

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui