Culinária vegetariana

Aprenda a fazer leite de coco, soja xadrez e soja louca

O leite de coco é fácil de fazer e muito saudável. Descrição para deficientes visuais: Em uma mesa estão um coco aberto e um copo cheio de leite de coco. Foto: Ivan Di Simoni
O leite de coco é fácil de fazer e muito saudável. Descrição para deficientes visuais: Em uma mesa estão um coco aberto e um copo cheio de leite de coco. Foto: Ivan Di Simoni

Fátima ChuEcco/Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Uma das maiores dificuldades dos vegetarianos é abandonar o leite e seus derivados. Talvez porque, não se tratando de carne propriamente dita, pareça menos cruel extrair leite de vacas. Mas quem pesquisa o assunto mais a fundo descobre uma verdade bem inconveniente: o leite extraído de vacas é repleto de “células somáticas” presentes em virtude da mastite – uma inflamação comum nas vacas submetidas à constante processo de ordenha. Para se ter uma ideia, a média da quantidade dessas células no leite comercializado no Brasil é o dobro da presente no leite autorizado para consumo nos EUA e Canadá.

Sem rodeios, o artista plástico vegano Ivan Di Simoni, apresentador do Programa Culinário Pecado Vegano, transmitido pelo canal MudaTV do You Tube, chama as células somáticas pelo nome mais popular: pus – aquele mesmo que a gente vê em feridas. Ivan reuniu muitas informações sobre o leite de vaca para motivar as pessoas a adotarem, por exemplo, o leite de coco. Em seu último programa, ele dá uma receita extremamente fácil para se obter leite de coco, saudável e livre de “pus”, como ele mesmo diz.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO
Ivan Di Simoni se encantou com a culinária vegana e agora apresenta o programa Pecado Vegano. Descrição: Homem branco de cabelos, bigode e barba escuros está atrás de uma mesa sorrindo. Na mesa há uma garrafa de vidro vermelha e um coco aberto. Foto: Divulgação
Ivan Di Simoni se encantou com a culinária vegetariana e agora apresenta o programa Pecado Vegano. Descrição: Homem branco de cabelos, bigode e barba escuros está atrás de uma mesa sorrindo. Na mesa há uma garrafa de vidro vermelha e um coco aberto. Foto: Divulgação

Vale a pena ver o programa porque Ivan fala desse assunto sério de uma forma muito bem-humorada, com inúmeros dados interessantes e convincentes. É bem provável que depois de assistir a esse programa muita gente queira fazer leite de coco ou optar por outros tipos de leite. Vale lembrar que cada tipo de leite tem características próprias para a espécie mamífera a que se destina. Por isso leite de vaca não serve para humanos assim como leite humano não serve para bezerros. Além disso, leite é um alimento para a primeira fase de crescimento. Ele perde sua função em adultos. Por isso ele é produzido pelas mães apenas por um tempo. E tem ainda outra questão que, aliás, é a mais importante: o sofrimento das vacas com mastite. Essa inflamação causa dor intensa e febre. As mamas ficam extremamente inchadas e até chegam ao chão. Isso sem falar na contínua escravidão.

Ivan já participou dessa seção culinária da ANDA dando a receita de um saboroso Peru de Natal (sem peru) e contando como enveredou pelo caminho do veganismo depois de passar a vida toda como onívoro. A mudança fez crescer nele interesse por culinária e então o artista passou também a expressar seu talento na cozinha, explorando muitos temperos e ingredientes dos quais ele nunca tinha ouvido falar antes.

Soja Xadrez e Soja Louca!

A ativista Adriana Santos, proprietária da Khalyly’s Dogs – Hotel e Creche para cães, em SP, optou pelo protovegetarianismo há 12 anos quando começou a ajudar a ONG União SRD (Sem Raça Definida) e conheceu pessoas que não comiam carne. “A ONG tinha parceria com o Instituto Nina Rosa (que entre outras coisas divulga o veganismo) e, ao assistir ao filme `A carne é Fraca`, produzido por esse instituto, no dia seguinte decidi que já não compactuaria mais com aquele sofrimento”, conta.

Ela diz que nunca foi fã de carne: “Comia mais embutidos por uma questão de praticidade, afinal, era só colocar no pão e sair comendo devido à correria do dia a dia. Mas o processo para mim, ao contrário de muita gente, foi muito simples. Depois de ver o filme não coloquei mais nenhuma carne na minha boca. Com o passar dos anos fui tentando evitar leite e derivados, ovos, e usando produtos mais éticos. Não sou vegana ainda, mas evito muita coisa ao máximo porque não quero que nenhum animal sofra ou sangre para que eu sobreviva”.

Foi participando de uma ONG de proteção animal que Adriana conheceu o veganismo. Descrição: Moça branca de cabelos pretos e presos está agachada ao lado de dois cachorros, um peludo, cinza e branco e outro marrom escuro e claro. Ela sorri. Foto: Arquivo pessoal
Foi participando de uma ONG de proteção animal que Adriana conheceu o veganismo. Descrição: Moça branca de cabelos pretos e presos está agachada ao lado de dois cachorros, um peludo, cinza e branco e outro marrom escuro e claro. Ela sorri. Foto: Arquivo pessoal

A partir do momento que Adriana cortou as carnes da sua alimentação, começou a se aventurar em receitas com soja. Abaixo estão duas delas:

Soja Xadrez (versão vegetariana do frango xadrez)

2 xicaras de PTS grossa (proteína texturizada de soja)
Alho, salsinha, cebolinha e cebola picados
1 pimentão vermelho, um verde e um amarelo picados
Molho shoyu
Broto de Feijão
Amendoim
Óleo de Gergelin (ou azeite)
Sal a gosto

Colocar a soja para hidratar em água e vinagre, levar ao fogo até ferver ou microondas por 5 minutos. Coar, lavar uma ou 2 vezes e espremer muito bem (uso espremedor de batata). Levar numa panela para refogar no óleo de gergelim com os temperos. Depois vá adicionando os pimentões, o shoyu, o broto de feijão, cheiro verde e, por último, o amendoín. Refogue tudo e sirva quente.

A Soja Xadrez fica colorida e saborosa. Descrição: Travessa de alumínio com soja picada e vários pimentões e cebola. Foto: Arquivo pessoal
A Soja Xadrez fica colorida e saborosa. Descrição: Travessa de alumínio com soja picada e vários pimentões e cebola. Foto: Arquivo pessoal

Soja Louca (versão vegetariana de carne louca)

2 xícaras de PTS fina (proteína texturizada de soja)
1 cenoura grande picada
1 cebola grande picada ou em rodelas
Azeitonas picadas
1 pimentão verde picado
Vinagre
Azeite
Sal a gosto
Molho shoyu

Preparar a soja da mesma forma que na receita acima. Misture todos ingredientes à soja e, por fim, o vinagre (na quantidade que agradar ao seu paladar). Deixar marinando de um dia para o outro para a soja pegar bastante o sabor do vinagre e do azeite.
Coma com pão, pura ou como acompanhamento.

A carne louca de soja tem um aspecto atraente e é ótima para usar em lanches. Descrição: Travessa com carne de soja picada e condimentos. Foto: Arquivo pessoal
A carne louca de soja tem um aspecto atraente e é ótima para usar em lanches. Descrição: Travessa com carne de soja picada e condimentos. Foto: Arquivo pessoal

Veja também matéria anterior com deliciosas receitas dos fundadores do Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos.

Você também pode participar
A ANDA começa uma fase com novas seções em seu portal. Uma delas é essa aqui, com receitas vegetarianas enviadas por convidados que estão de alguma forma engajados na causa animal ou são simpatizantes. Essas pessoas estarão também contando por que optaram pelo vegetarianismo ou veganismo, e como se sentem hoje com uma alimentação sem sofrimento animal. E os leitores da ANDA também poderão participar enviando suas receitas vegetarianas com boas fotos, nome completo, cidade, profissão e contando como foi a trajetória para o vegetarianismo ou veganismo por meio do [email protected]

Nota da Redação: Como a seção é sobre culinária e a dieta da pessoa vegana é o vegetarianismo, se utilizará sempre os termos: “culinária vegetariana”, “dieta vegetariana” e “receitas vegetarianas”, no sentido de não conter nada de origem animal (ovos, mel, leites e derivados, todos os tipos de carnes, cochonilha, gelatina, etc.).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui