Novo estudo sugere de onde os cães originalmente vieram


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Antes de Snoopy e Charlie Brown, antes de Salsicha e Scooby, antes de Marley e “eu”, havia Odysseus e seu cão, Argos.

Sempre o fiel companheiro, Argos é o único personagem na “Odisseia” de Homero que reconhece Ulisses em seu retorno atrasado para Ithaca. Tendo esperado muito tempo para o retorno de seu dono, Argos tem sido negligenciado durante anos mas ainda vê Ulisses por quem ele é. Os últimos atos do cão são de derrubar as orelhas e abanar a cauda em um gesto de saudação. Imediatamente depois, “Argos passou para a escuridão da morte, agora que ele havia cumprido seu destino de fé e visto seu mestre mais uma vez depois de 20 anos.”

Durante séculos, as fortunas humanas foram ligadas aos do nosso melhor amigo proverbial, e vice-versa. No entanto, pouco se sabe com certeza sobre as origens biológicas das espécies animais mais próximos aos nossos corações.

Mas um estudo internacional publicado na revista Cell Research na semana passada lança alguma luz sobre precisamente essa questão em uma das mais extensas investigações sobre o DNA de cães. A pesquisa – os  esforços combinados da China, Canadá, Finlândia, Cingapura, Suécia e Estados Unidos, em si um aceno para o apelo quase universal dos cães – oferece um roteiro genético de como as diversas espécies surgiram através de continentes e milênios.

Os primeiros cães viviam cerca de 33.000 anos atrás, no sudeste da Ásia, de acordo com o estudo.

Usando sequências do genoma inteiro de 58 canídeos (espécies de lobos e cães primitivos), os investigadores determinaram que os cães do sudeste da Ásia tem a maior diversidade genética em comparação com populações de outras partes do mundo. Eles também exibem a maior similaridade genética com lobos cinza, que acredita-se ser o mais próximo ancestral selvagem dos cães.

“Como uma única espécie”, observa o estudo, “o cão doméstico incorpora uma das maiores coleções de diversidade fenotípica de quaisquer espécies que vivem na terra. O nosso estudo, pela primeira vez, revela a extraordinária jornada que o cão doméstico fizeram neste planeta durante os últimos 33.000 anos.”

Porque cada genoma está relacionado um com outro, uma visão ampla de variações do genoma através de gerações de cães, como os pesquisadores conduziram, fornece pistas ​​sobre onde tudo começou.

Seguindo a hipótese de que a maior diversidade genética seria encontrada na origem geográfica de uma espécie, os cientistas focaram nos cães do Sudeste da Ásia. Então, depois de calcular quanto tempo leva para um certo número de mutações aparecer no genoma, eles determinaram que a divisão entre lobos cinzentos e os cães do Sudeste Asiático ocorreu 33.000 anos no passado.

(Em 2013, uma análise de DNA de um antigo crânio de um cão datava o espécime ao mesmo tempo geral, como os cientistas concluíram que o fóssil era de 33.000 anos de idade.)

Esta população “fundadora” inaugural de cães era de cerca de 4.600 criaturas.

A partir daí, os ancestrais de Fido viajaram para muito longe. Ou, como os pesquisadores colocaram, “O cão doméstico, um dos nossos companheiros mais próximos no reino animal, seguiu-nos a todos os continentes do mundo.”

Cerca de 15.000 anos atrás, um subgrupo dos cães originais migrou do Sudeste da Ásia para o Oriente Médio, África e Europa – o que os pesquisadores chamaram de “dispersão mundial de cães”. Um desses grupos retornou ao norte da China cerca de 10.500 anos atrás, antes de se mudar novamente para as Américas.

Esses caminhos foram traçados observando as redes de mistura – a mistura genética que ocorre quando os animais de populações previamente separadas cruzam – e os graus de diversidade genética entre os tipos de cães.

Os pesquisadores observaram níveis “dramáticos” de diversidade genética entre raças de cães. Considerando que o Mastiff Tibetano, uma raça do leste Asiático, mostra níveis de diversidade comparáveis com a de cães indígenas chineses, muitas raças de cães europeus têm “diversidade genética consideravelmente reduzida.”

Apesar destas novas conclusões, ainda há muito sobre a história dos cães que permanece misterioso e desconhecido. Por exemplo, o que poderia ter causado populações de cães do leste Asiático a geneticamente divergirem dos lobos, em primeiro lugar?

Uma possível explicação, segundo os cientistas do estudo, é que a divergência inicial que levou a cães domésticos era uma divisão na população de lobos, uma diferenciação genética entre os lobos do sul da China (ancestrais dos cães) e lobos do norte. Isto pode sugerir que a domesticação não ocorreu até a dispersão global.

Por outro lado, também é possível que a “antiga divisão cão-lobo” foi na verdade o primeiro passo para a domesticação dos lobos e sua evolução em cães domésticos.

“O leve afunilamento populacional em cães sugere que a sua domesticação pode ter sido um longo processo que começou a partir de um grupo de lobos que se tornou vagamente associado aos seres humanos,” o estudo propõe, “antes de experienciar ondas de seleção para fenótipos que gradualmente favoreciam mais ligações mais fortes com seres humanos (um processo chamado de auto-domesticação).”

Como nenhuma evidência arqueológica foi descoberta ainda para apoiar esses tópicos em dados genéticos, a ascendência de cães mantém uma aura enigmática. Nesse meio tempo, nós podemos nos alegrar com o fato de que os cães domésticos não são apenas “o melhor amigo do homem”, mas também, como os pesquisadores declaram, “uma das mais belas esculturas genéticas moldadas pela natureza e homem.”

*É permitida a reprodução total ou parcial desta matéria desde que citada a fonte ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais com o link. Assim você valoriza o trabalho da equipe ANDA formada por jornalistas e profissionais de diversas áreas engajados na causa animal e contribui para um mundo melhor e mais justo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

POLÍTICA PÚBLICA

RECOMEÇO

BANALIZAÇÃO

CAZAQUISTÃO

DESMATAMENTO

BARBÁRIE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>