Cerca de 5 mil equinos devem ser assassinados no Ceará


Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Kid Júnior
Foto: Kid Júnior

Devido a um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o Ministério Público do Ceará (MPCE) e a Agência de Defesa da Agropecuária do Estado (Adagri), mais de 5 mil equinos serão mortos no Ceará.

Há cerca de um ano, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Ceará (CRMV-CE) denunciou ao MPCE o uso de métodos cruéis para matar cavalos com anemia infecciosa equina e mormo.

Os métodos químicos são os recomendada pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), mas a Adagri tem feito a utilização de rifles sanitários. O órgão alega dificuldades para adquirir os fármacos necessários para o procedimento, os quais são controlados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência afirma que o uso dos rifles é uma medida emergencial. Hoje, existem cerca de 5.685 processos para matar equinos no Estado, porém, conforme a Adagri, o mesmo animal pode abranger vários processos.

Os motivos para matar os animais, conforme o TAC firmado em 7 de dezembro, é que os equinos infectados representam risco para animais saudáveis e seres humanos. Até janeiro de 2017, a Adagri é obrigada a solicitar a compra dos medicamentos adequados e substituir os rifles pelo método químico imediatamente após o recebimento dos produtos. Caso não cumpra o estabelecido, estará sujeita à multa diária de R$ 5.000. “O Estado informou que não tinha estoque suficiente, mas afirmou que a aquisição desses medicamentos já está em andamento”, afirmou o promotor de Justiça José Francisco de Oliveira Filho ao Diário do Nordeste

A Associação Viva Bicho protocolou na quarta-feira (16), uma Representação no Ministério Público Federal para que adote as medidas judiciais necessárias para suspender o TAC. O Presidente da CPI dos Animais, Deputado Ricardo Izar Junior também foi comunicado da medida.

Entidades de direitos animais lamentaram que o TAC tenha sido proposto e assinado sem a presença das mesmas e sem levar em conta os equinos.

Nota da Redação: Independente do método utilizado ou do motivo, os seres humanos não têm direito de matar animais. A vida e a liberdade dos animais deveriam ser valorizadas. Por que quando os animais não-humanos adoecem o primeiro impulso dos seres humanos é matar e não tratar? Se deixássemos de lado nosso especismo, começaríamos a demonstrar tanta compaixão com os  animais não-humanos do que temos com os humanos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CATIVO EM ZOO

CRIME AMBIENTAL

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

ESCRAVIDÃO

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>