Após um ano de tratamento, 'Bolinha' elimina 16 kg e ganha novo lar


Michele Scopel levou Bolinha para casa, em Cuiabá (Foto: Nathalia Lorentz/ G1)
Michele Scopel levou Bolinha para casa, em Cuiabá (Foto: Nathalia Lorentz/ G1)

Um ano depois de iniciar tratamento, ‘Bolinha’ está com 20 kg e ganhou um novo lar. O cão que pesava 36,5 kg, ainda não perdeu todo o peso que precisava, mas continua fazendo dieta e exercícios. Desde setembro do ano passado, ele estava sob os cuidados de uma clínica particular. Atualmente, para perder os 5 kg que ainda faltam para chegar ao peso ideal, o cão frequenta uma escola de adestramento durante a semana. Lá, ele faz exercícios.

A coordenadora da ONG OPA-MT que resgatou Bolinha de uma lanchonete às margens da BR-364, Michelle Scopel, o adotou. Ela explicou que não havia mais necessidade dele continuar na clínica.

“Ainda não perdeu todo o peso, mas não havia mais necessidade de ficar lá porque ele poderia fazer o tratamento em casa com caminhada, exercícios, que não precisavam ser feitos na clínica”, explicou.

Com uma alimentação balanceada baseada em ração especial, o cão, que comia 167 gramas em quatro pequenas porções diárias, agora está comendo um pouco mais. A refeição continua sendo dividida em quatro porções, mas aumentou para 180 gramas por dia. Michelle conta que ‘Bolinha’ não gosta de comer em pequenas quantidades fracionadas.
“Tenho que erguer os potes, porque eu colocava em cima do sofá e ele ficava puxando com a patinha. Então, eu virei o sofá para ele não conseguir pegar, porque os outros [cachorros] pulam e comem lá cima. Se não ele come com vontade”, contou.

Além do cuidado com alimentação, o cão frequenta a escola de adestramento três vezes por semana. “Segunda, quarta e sexta-feira ele vai para a escola. Ele já fica no portão aguardando o adestrador vir buscá-lo. Nos outros dias, eu passeio com ele para fazer uma caminhada”, citou.

Imagem registrada nesta quinta-feira (3) mostra a atual forma de Bolinha (Foto: Nathalia Lorentz/ G1)
Imagem registrada nesta quinta-feira (3) mostra a atual forma de Bolinha (Foto: Nathalia Lorentz/ G1)

Alto custo
Mesmo em casa, as despesas com Bolinha continuam altas, segundo Michele. A ração de 3,8 kg, que dura cerca de 20 dias, custa pelo cerca de R$ 100 e escola chega a custar R$ 500 por mês. Através de campanha e doações, ela ganhou algumas rações de uma distribuidora.

Além dele, ela cuida em casa de 31 animais, sendo 18 cachorros e 13 gatos. O convívio de Bolinha com os outros animais é tranquilo. “Parece que desde quando chegou, já morava aqui, pois todos os outros cães gostaram dele”, explicou.

Michele não pretende devolver o cachorro para o antigo tutor, que era proprietário da lanchonete onde ele vivia.

“Como a ONG está lotada, trouxe ele para a minha casa. Quando meu amigo o pegou [na lanchonete], o tutor o liberou e até falou que o queria de volta, mas ele nunca entrou em contato. A gente não pretende devolver. Se deixar à vontade, ele vai voltar a engordar porque ele come mesmo”, afirmou.

Bolinha pesava mais de 36 kg quando foi resgatado (Foto: Nill Vianna/Arquivo pessoal/Nathalia Lorentz/G1)
Bolinha pesava mais de 36 kg quando foi resgatado (Foto: Nill Vianna/Arquivo pessoal/Nathalia Lorentz/G1)

Entenda o caso
‘Bolinha’ foi resgatado em uma lanchonete num posto de combustíveis na BR-364, entre as cidades de Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis, a 242 e 397 km de Cuiabá, no Mato Grosso, respectivamente, no ano passado. Foi abandonado no local ainda filhote e começou a engordar porque se alimentava de salgados e restos de comida que jogavam para ele. Obeso, andava e respirava com dificuldade.

O resgate foi feito pela OPA-MT quatro dias após o G1 ter publicado uma matéria sobre a situação do animal. Então, ele foi internado em uma clínica particular de Cuiabá em setembro de 2014. Segundo o empresário que o resgatou, Bolinha estava cercado de lixo e a água dele estava muito suja. O pagamento dos custos com a clínica veterinária fora feito por meio de doações.

Fonte: G1.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RETROCESSO

RESPONSABILIDADE

SOLIDARIEDADE

MISSÃO

ACADEMIA ESPECISTA

SADISMO

DE OLHO NO PLANETA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>