Comunidade se une para salvar animais durante enchentes na Carolina do Sul‏


(da Redação)

Foto: Care2
Foto: Care2

Conforme as chuvas caíram e o nível das águas subiu na Carolina do Sul (EUA), os seres humanos não foram os únicos afetados. Com o estado enfrentando uma situação de emergência, os animais viram as suas casas serem destruídas pelas águas. Felizmente, muitos defensores de animais estão tentando resgatá-los. As informações são da Care2.

“Nós nunca vimos nada assim, nem mesmo nos verões quando chove por três  dias seguidos”, disse Rachel Nisbet, vice-presidente da Sociedade de Prevenção à Crueldade contra os Animais (SPCA) em Summerville, falando sobre como a equipe chegou no sábado, dia 3 de Outubro, para encontrar os cães na sala de entrada com as patas em poças de água que haviam invadido o edifício.

A organização postou um pedido de ajuda em sua página do Facebook, para conseguir tirar os animais do prédio e, dentro de uma hora, havia uma fila de pessoas na porta, dispostas a auxiliar.

“Nossa maior salvação aconteceu graças às redes sociais”, acrescentou Nisbet. “Todos viram o post e começaram a compartilhar. Uma estação de rádio viu e divulgou no ar. Chegaram equipes de reportagem. Foi incrível. Nós tivemos mais de 50 pessoas vindas de toda a parte para pegar cães, trazer caixas de comida,  cobertores e toalhas”.

Finalmente, 75 cães foram removidos do prédio, e os gatos foram movidos para um local mais alto normalmente usado para estoque. As pessoas remanescentes ficaram do lado de fora para ajudar a equipe a evitar que mais água entrasse.

A um pouco menos de 100 milhas de distância, na Columbia, o Centro de Vida Selvagem da Carolina passou por uma crise similar. A organização de resgate de animais nativos viu a sua propriedade ser aos poucos invadida pela água e teve de mover todos os seus 400 animais para evitar um desastre ainda maior.

“No domingo, nós percebemos que o nível da água estava subindo e tivemos medo de não haver tempo para tirar todos os animais”, disse Jay Coles, diretor executivo da organização. “Levamos cinco horas para cruzar a cidade com todos eles. Nós os espalhamos entre alguns dos nossos voluntários e a equipe. Foram necessárias múltiplas viagens enquanto ruas eram fechadas e a cidade se apagava. Nós estávamos com a corda no pescoço, mas conseguimos”.

Os animais, que incluem coelhos, aves e répteis, estão agora seguros e salvos graças à ajuda de tutores temporários e voluntários. No caso da SPCA, alguns cães encantaram os donos dos lares temporários em que estavam e acabaram se tornando definitivos. Todos os outros animais ficarão em lares adotivos até que as organizações usem parte de seus limitados orçamentos para conseguir reconstruir as suas estruturas que foram arruinadas pelas inundações. “Essa ajuda”, concordam Coles e Nisbet, “não tem preço”.

“A ajuda da comunidade tem sido essencial. Se não fossem os esforços desses santos em fazer tudo o que fizeram, nós não teríamos conseguido”, disse Coles.

“É um momento difícil mas ao mesmo tempo é uma benção haver tantas pessoas que se importam com os animais”, acrescentou Nisbet. “Elas colocam um sorriso nos nossos rostos quando achamos que isso seria improvável”.

De acordo com a FEMA (Federal Emergency Management Agency), inundações são o tipo de desastre natural de ocorrência mais comum, e os cientistas classificam a maioria delas como resultado das mudanças climáticas. Por isso os abrigos, assim como os tutores, devem começar a ter planos para situações de emergência, e a realocação dos animais em lares temporários é uma grande parte disso. O plano é muito mais fácil de ser executado, no entanto, quando as organizações de resgate têm pessoas já à disposição, ao invés de terem de procurar por novos candidatos quando a emergência acontece.

“Se a pessoa está registrada como ofertante de lar temporário conosco, nós estamos sempre em contato e sabemos se ela está atualmente abrigando um animal temporariamente. Então, se uma coisa dessas acontece, há uma lista de pessoas que podemos contatar”, explica Nisbet.

A maioria das pessoas que ajudaram a SPCA e o Carolina Wildlife Center eram tutores temporários registrados, mas no momento em que as inundações alcançaram um ponto crítico na Carolina do Sul, algumas pessoas tornaram-se tutores temporários involuntariamente. Com animais fugindo de suas casas em meio ao caos, aqueles que os encontravam levavam os mesmos para as suas casas e começavam a postar fotos no grupo “Lost & Found Pets of South Carolina” do Facebook, para conseguir restituí-los aos seus tutores em segurança.

“Encontrei esse pequeno em meu quintal nesta manhã, chorando e tremendo. Ele obviamente tem um lar, e está bem cuidado. Por favor me ajudem a encontrar o seu tutor”, postou Leah Nagarwith, junto à foto de um cão preto e castanho na  página, que está repleta de anúncios parecidos e com alguns finais felizes.

Apesar das chuvas terem cessado, agora o estado espera lidar com as consequências, e entre elas estão os animais resgatados. O abrigo de controle de animais do condado de Chesterfield está em sua máxima capacidade, com muitos que foram recolhidos durante as enchentes, e o de Columbia está precisando de água para dar aos animais, uma vez que a do prédio não é potável, enquanto a Humane Society de Greenwood está pedindo doações de toalhas para limpar uma sala onde ficam gatos e que foi inundada.

Além disso, potenciais lares temporários e voluntários continuam sendo encorajados a procurar pelas organizações de resgate locais para ajuda.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO

PRESERVAÇÃO

DESESPERO

CONSOLO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>