(da Redação)

Foto: Animal Defense International
Foto: Animal Defense International
Trinta e dois leões foram libertados do cativeiro, em uma apreensão recente em um circo do Peru. Os leões estavam muito desnutridos e feridos, e apresentavam claros distúrbios mentais por terem sido forçados a viver em pequenas jaulas quando não estavam performando. Muitos deles tinham os seus dentes quebrados e as garras removidas, para preveni-los de atacarem os treinadores quando eles eram abusados. As informações são do One Green Planet.
Eles tinham as garras removidas e apresentavam sinais de trauma e distúrbios mentais, pelo confinamento e maus tratos. Foto: ADI
Eles estavam sem garras e dentes, e apresentavam sinais de trauma e distúrbios mentais, pelo confinamento e maus tratos. Foto: ADI
Joseph, um dos leões libertados, ficou cego de um olho devido ao desenvolvimento de uma catarata. Segundo a reportagem, a doença era tratável e poderia ter sido evitada se os seus tratadores tivessem feito o mínimo esforço para lhe oferecer cuidados médicos básicos. Como se não bastasse, alguns desses tratadores até mesmo o apelidaram de “cego”, escarnecendo-se de sua condição.
Todos os animais que foram resgatados alcançaram a sua liberdade graças ao incrível trabalho da ONG Animal Defenders International (ADI). O resgate foi resultado de uma campanha que durou vários meses chamada “Operation of Spirit Freedom” (“Operação de Liberdade de Espírito”). Mais de 90 animais já foram resgatados nesta campanha.
Eles viviam todos amontoados em pequenas jaulas. Foto: ADI
Eles viviam todos amontoados em pequenas jaulas. Foto: ADI

Os leões serão levados de volta à África do Sul, por via aérea. Eles serão mantidos em grandes cercados para que sejam reabilitados no santuário de felinos Emoya Big Cat. Circos não são divertidos para os animais, e não há argumento para refutar isso. Infelizmente, o grande público ainda não se deu conta da infinidade de efeitos negativos que os circos causam nos animais que exploram. Mas as coisas estão melhorando – com a exposição de histórias como a destes leões, que lançam luz à situação aflitiva dos animais nesse tipo de estabelecimentos.

Um dos leões resgatados sendo cuidado por veterinários e voluntários da ONG. Foto: ADI
Um dos leões resgatados sendo cuidado por veterinários e voluntários da ONG. Foto: ADI

1 COMENTÁRIO

    • Infelizmente não serão libertados na natureza, terão que passar o resto das vidas atrás de cercas em santuários. Esses animais não têm condições para serem soltos, envolve muito mais do que ‘apenas dá-los liberdade’. São nascidos em cativeiro, criados como escravos e sem a menor possibilidade para sobreviverem na selva. Outros fatores como genética também pesam, podem ter sofrido endogamia e não se sabe qual das 7 subespécies de leão eles descendem, certamente originados do cruzamento de leões de diferentes regiões da áfrica. Portanto, sem valor genético nenhum para a manutenção da espécie na natureza.
      Felizmente esses animais tiveram um bom fim. Ir para o santuário não é uma coisa ruim, visto onde sobreviveram por toda vida. E ainda há quem critique ou se posicione totalmente contra esses locais de reabilitação de animais resgatados, recebendo tratamento veterinário, alimentação adequada e um recinto digno.

  1. A Luta é árdua, mas o BEM está vencendo, não importe o tempo que leve, está vencendo e irá VENCER, SEMPRE!!
    PARABÉNS à todos que lutaram pela vida desses Não Humanos majestosos e maravilhosos!!! Serão sempre lindos, não importa o quanto tenham sofrido….LUZ E FORÇA !!

  2. Triste ver as condições em que estes grandes felinos, além de outros animais, são mantidos para a diversão de poucos que não se importam ou pela ignorância. Espero que em breve, todos os animais mantidos para a “diversão” de humanos possam ter um pouco de paz em santuários, mesmo que isto não seja o ideal, mas que não haja exploração e sofrimento.

  3. Diz o texto: “Infelizmente, o grande público ainda não se deu conta da infinidade de efeitos negativos que os circos causam nos animais que exploram”.
    Uma matéria de 1 minuto a respeito disso no jornal nacional da globo mudaria essa realidade. Mas essa empresa boçal e fútil jamais faria isso.